O culto racional: Não vos conformeis a este século (Romanos 12:2)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Comentário #Significado #Sermão #Pregação #Mensagem #Palavra #Meditação #Devocional #Versículos #Bíblia #Evangélico #Evangélica #Cristão #Santidade #Mundo #Trevas #Romanos 12 #Não vos conformeis #Não vos amoldeis #Século #Vontade de Deus #Culto Racional #Sacrifício

“E não vos conformeis a este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” Romanos 12:2.

 Introdução 

Continuamos o estudo O Culto Racional com uma reflexão sobre o que fazer para não nos amoldar a este século. Leia também O culto racional: Sacrifício vivo, santo e agradável caso queira ler a primeira parte deste estudo.

Ao contrário do que foi tratado na primeira parte deste estudo, o segundo versículo do capítulo 12 de Romanos não trata sobre as nossas escolhas ou sobre a minha vida de santidade unicamente. Ele fala sobre este século e retrata a nossa luta para não nos igualar a este mundo.

 O exemplo de Daniel 

Quando consideramos a realidade deste mundo e até mesmo a realidade das denominações evangélicas, percebemos que a nossa situação presente se assemelha muito ao tempo em que Daniel viveu. Àquela época o Reino de Judá, que havia se separado do Reino de Israel, foi levado cativo para a Babilônia. Na Babilônia física os filhos de Israel puderam reproduzir suas vidas tranquilamente e até ofereciam sacrifícios ao Senhor ali. Eles viveram acomodados porque aparentemente tinham alguma liberdade. A verdade, porém, é que eles eram escravos.

Na nossa atualidade a situação é bem semelhante ao tempo de Daniel. Vivemos em um tempo onde a liberdade, mesmo no meio dos irmãos em Cristo, é posta em xeque, uma vez que os limites cristãos estão sendo deteriorados pela libertinagem da nossa era. O mundo nos impõe regras e padrões para que eu seja infrutífero e derrotado. A ideia do diabo é nos engodar nestas coisas para que nós não tenhamos tempo para considerar as coisas de Deus. Para isso ele nos dá todas as iguarias que quisermos e todo o vinho que conseguirmos beber. Todo mundanismo e secularismo é dominado pelas forças do mal e o príncipe deste império é Satanás, o inimigo das nossas almas. Não podemos nos deixar levar pelos mundanismos, pois certamente seremos tragados pelos prazeres destas iguarias.

Como lemos no livro de Daniel o Rei Nabucodonosor ordenou que fossem dadas das iguarias reais e do vinho que ele bebia aos jovens que haviam sido trazidos de Judá. Tudo isso ele fez para que as pessoas que ali chegassem também se adentrassem na cultura de Babilônia. Quando Paulo nos incita a não nos conformar a este século o que ele quer dizer é que não devemos nos alimentar das iguarias nem do vinho do rei. Paulo está nos dizendo para fugir do padrão deste mundo, dos seus prazeres e concupiscências. Ele deseja que tenhamos uma vida separada para Deus não apenas no nosso coração, mas nas nossas atitudes e nas coisas que tocamos neste mundo. Todo modismo, secularismo e mundanismo vão passar, mas nós não devemos confiar nestas coisas. "Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente" 1 João 2:17.

 A realidade do cristianismo contemporâneo 

Este mundo também nos dá todas as condições de reproduzir nossas vidas aqui e até mesmo para servir a Deus neste mundo, conforme o desejo dos senhores deste império. Talvez seja um choque para você, mas infelizmente a maioria das denominações cristãs da atualidade (e tenho a tendência a generalizar, infelizmente) estão entregues ao domínios de espíritos malignos e à doutrinas de demônios. E isso eu digo baseado nos seus frutos (considerando que encher as igrejas de gente não significa que estamos frutificando). Hoje a Igreja no Brasil, apesar de cheia de gente, cheia de dinheiro e com muita influência política, perdeu o principal: o poder de Deus. Nós não conseguimos mais impactar as pessoas com o simples poder do Espírito Santo. A pregação destes pastores se baseia em palestras motivacionais que nada tem a ver com a palavra de Deus. Perceba que, ao pregar, os pastores, em geral, leem poucos versículos da bíblia. Na maioria do tempo eles divagam em muitas coisas. O louvor, igualmente enfraquecido, se tornou covil de víboras gananciosas e que não têm o menor interesse de cumprir a vontade de Deus. O senhor deles se tornou o dinheiro sendo que "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas" Mateus 6:24. Ora, se estas pessoas servem o dinheiro, como poderão elas servir ao Deus da Terra?

Ora, se o evangelho é o poder de Deus e se estamos em uma época em que não conseguimos ver e presenciar este poder, então a conclusão que chegamos é que o evangelho que tem sido pregado é outro diferente daquele que nos foi ensinado por Jesus e pelos seus apóstolos.

 A voz que clama no deserto 

O nosso tempo também é semelhante ao tempo de João Batista. João era da linhagem sacerdotal e poderia requerer todos os seus direitos enquanto sacerdote. Porém escolheu viver nos desertos comendo gafanhotos e mel silvestre. Veja que João Batista se levantou exatamente contra a religião que havia tomado conta do povo Judeu. O Senhor não fala nos grandes centros religiosos, mas ele fala nos desertos e na sinceridade do nosso coração.

Hoje, mais do que nunca, Deus levanta homens como João Batista. O Espírito de Elias, que estava sobre João Batista, também se levanta nos nossos dias. Deus tem levantado homens fora da religião e da mentira. Não existe mais lugar para o sinédrio judaico. Hoje nós precisamos ouvir a voz do Espírito Santo, nos arrepender dos nossos pecados e seguir os passos de Jesus no evangelho genuíno de Cristo que prega a cruz. Escândalo para judeus e loucura para gregos, mas o poder de Deus para a salvação daquele que crê.

 Conclusão 

Devemos fugir do padrão cristão. Este modelo cristão já está derrotado. Derrotado pelo dinheiro, derrotado pela vontade do homem e derrotado pelo diabo. Não digo que devemos deixar de congregar, mas digo que através da renovação da nossa mente, comprovaremos a boa, perfeita e agradável vontade de Deus. E esta vontade de Deus não pode se submeter ao interesse de homem algum. Na verdade a vontade de Deus é completamente contrária a este mundanismo que se infiltrou nas denominações. Um dos grandes problemas, neste sentido, é que muitas pessoas consideram a palavra destes homens como a palavra de Deus para suas vidas. Saiba, meu irmão, que assim como estes pastores nós somos todos sacerdotes perante Deus e temos todos o mesmo acesso ao santo dos santos. Assim, se desejamos ouvir a voz de Deus e compreender a sua vontade, o melhor coisa a se fazer é buscar a Deus em oração e entrar na presença do Senhor. E se o buscarmos com sinceridade em nosso coração, certamente o encontraremos. Quando ouvirmos a voz de Deus não devemos ser negligentes, mas cabe a nós cumprir aquilo que Deus colocar em nosso coração. Conforme diz a escritura: "Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a sua voz, não endureçais os vossos corações" Hebreus 3:7-8.

A realidade cristã nos ensina que o evangelho é morno e sem poder, mas a palavra nos ensina que este evangelho é o poder de Deus para a salvação daquele que crê. Creia no poder de Deus e não nos homens. Creia na palavra revelada pelo Espírito Santo, e não em falácias e doutrinas mortas. Tenha certeza da palavra viva de Deus e a pratique independente do que falam as pessoas à sua volta. Que Deus nos ensine a não nos amoldar aos padrões do nosso tempo para que assim possamos provar da boa vontade de Deus. 


Comentários