A Oração: Como devemos orar?

#Estudo #Esboço #Explicação #Sermão #Mensagem #Pregação #Meditação #Devocional #O que é #Significado #Comentário #Bíblia #Pai nosso #Oração #Por que orar #Como orar #Estudo sobre Oração #Estudo bíblico oração

 Introdução 

Além de entender o motivo pelo qual devemos orar, conforme vimos no estudo anterior, neste estudo sobre oração também falaremos sobre como devemos fazer nossas orações na prática. Trazer esse ensinamento para nossa vida é o que mudará, de fato, o nosso viver. Portanto, como devemos orar?

 O arrependimento é necessário 

"A palavra do SENHOR, que veio a Jeremias, dizendo: Levanta-te, e desce à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras" Jeremias 18:1-2.

O primeiro ponto que devemos nos atentar quando vamos orar é que Deus não fala com homem caído. Nesta passagem de Jeremias vemos esse exemplo. Deus queria trazer uma palavra a Jeremias, mas o ordenou a se levantar e descer a casa do oleiro. Deus não fala ao homem caído. É necessário que nos levantemos para que ele fale ao nosso coração. E para tanto, precisamos nos arrepender.

O arrependimento talvez seja o tema mais recorrente do Novo Testamento. João Batista, Jesus, Pedro, João, Paulo. Todos eles pregaram uma só coisa: o arrependimento. Eles não pregaram sobre dízimos ou sobre a necessidade de erguer um templo à Deus, mas pregaram sobre o arrependimento. É de assustar que este tema tenha perdido o espaço nas pregações cristãs, pois ele é um dos mais fundamentais.

O arrependimento é necessário para aqueles que se convertem, mas é imprescindível para tantos quantos vivem, de uma vez por todas, a vida e realidade do Reino de Deus. Sem arrependimento não nos achegamos a Deus nem mesmo na oração. Se não nos arrependermos nossa oração não passarão de meras palavras ditas ao vento. Mas, quando chegamos ao trono da graça arrependidos e declarando a nossa pequenez, aí sim encontramos alento do Senhor.

"O publicano, estando em pé, longe, não ousava nem ainda levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, sê propício a mim, pecador!" Lucas 18:13.

É por isso que, na parábola do publicano e do fariseu (Lucas 18:10-14.), desceu justificado o publicano e não o Fariseu. Este é o exemplo maior da nossa oração. Ao chegarmos diante de Deus devemos saber que nos encontramos diante do Deus do Céus e demonstrar que somos meros pecados, vasos de barro em sua presença. Se até os anciãos que estão diante do trono no Céus arremessam suas coroas ao trono e se prostram diante desse Deus, por que seria diferente com seres tão menores quanto somos nós. E mesmo se fôssemos seres de grande importância, quem se assemelha ao nosso Deus? E quem se achega a ele aleivosamente? Certamente aquele que não se arrepende será desarraigado, "porque todo o que se exalta será humilhado; mas o que se humilha será exaltado" Lucas 18:14.

 Um esforço contínuo 

"Desde os dias de João Batista até agora, o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele" Mateus 11:12.

Quando vamos começar a orar devemos perceber que o Reino é conquistado por aqueles que se esforçam para conquistá-lo. Esse texto nos mostra uma realidade tácita da oração. Devemos nos esforçar para orar. Orar nunca é fácil. Quando nos colocamos em oração tudo começa a acontecer para tirar o nosso foco da oração. É assim que o diabo tenta nos ludibriar para não orarmos. Tirando nossa atenção.

"Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará" Mateus 6:6.

A primeira coisa que devemos entender é que devemos focar naquilo que estou fazendo e esquecer do mundo lá fora. É por isso que devemos entrar no nosso quarto e fechar a porta. É um momento de intimidade com Deus em que as outras pessoas não precisam se intrometer.

Também pode acontecer, quando começamos a orar, de eu não conseguir perceber e sentir a realidade espiritual da oração. Lembre-se que a oração é espiritual e por isso devemos treinar nosso espírito humano para se conectar a Deus. Tenha paciência e esforço para aprender a orar em Espírito. O ideal é ter um momento de oração diariamente e se acostumar a orar sempre em espírito. Com o tempo os minutos viram horas na presença de Deus.

 Orar em Espírito 

"Vós, porém, amados, edificando-vos na vossa fé santíssima, orando no Espírito Santo, guardai-vos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo, para a vida eterna" Judas 1:20-21.

Judas também fala sobre 'orar em espírito'. Essa oração no Espírito Santo é tentar se achegar ao Espírito Santo e contatá-Lo em nossas orações. A oração não deve acontecer de para eu mesmo. Muitas pessoas oram como se fosse um monólogo com Deus e não estão acostumadas a contactar o Espírito Santo. Entretanto é exatamente essa oração que devemos buscar. Se você nunca sentiu o Espírito Santo tocando sua vida, busque-O. Ele se faz achado a todos quantos o buscam em verdade.

 Orar com toda a oração 

“Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito [...]" Efésios 6:18.

Por fim, devemos orar "com toda oração". Essa expressão quer dizer que devemos orar com todos os tipos de oração, todas as formas de oração. Existem várias formas de orar a Deus que veremos uma a uma pontualmente nos próximos estudos desta série.

 Conclusão 

É claro que existem muitos outros pontos e observações a serem feitas quando falamos sobre a forma como devemos orar. Entretanto os pontos centrais e que trazem fundamento para a vida de oração são estes quatro pontos citados acima (sendo que o último ponto será mais bem desenvolvido nas próximas mensagens).

Sem arrependimento, esforço para alcançar essa vida de oração e oração no Espírito não conseguiremos construir uma vida de oração que seja firme. Mas se seguirmos estes pontos básicos, então certamente daremos um passo importante para alcançar uma vida de oração bem fundamentada.

Comentários