Armadura de Deus: Guerra Espiritual (Efésios 6:10-12)

#Principados e potestades #Mundo tenebroso #Sede fortalecidos #Forças espirituais do mal #Carne e sangue #Regiões celestes #Significado #Carta de Efésios #Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Características #Sermão #Efésios 6 #Carta #Bíblia #Epístola #Armadura de Efésios #Livro de Efésios #Armadura de Deus #Armadura do Cristão #Mundo Espiritual #Batalha Espiritual #Guerra Espiritual #Estudo Efésios #Epístola de Efésios

"Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes" Efésios 6:10-12.

 Introdução 

O livro de Efésios é considerado um dos livros mais elevados de toda a bíblia. O motivo é simples: ele nos mostra a visão de Deus acerca de algumas questões específicas. Os primeiros capítulos, por exemplo, nos revelam muitas realidades práticas de nossa vida cristã. Também nos mostra uma grande revelação: os gentios unidos aos judeus pela cruz. Pode parecer exagerado, mas considerar os gentios como co-participantes do Reino era um ultraje à época. O livro se desenrola tratando de muitas questões práticas da Igreja como a unidade, a questão dos dons e o aperfeiçoamento dos santos, a santidade, fala sobre a questão conjugal, pais e filhos, servos e senhores e finalmente, a Armadura de Deus.

Hoje trataremos acerca desta armadura e especificamente neste momento os versículos de dez a doze, que dão inicio a essa passagem.

O versículo dez inicia com a expressão “quanto ao mais”. Interessante notar que essa expressão denota continuidade de pensamento ou mesmo uma conclusão. E mais interessante ainda é perceber o teor dos assuntos que Paulo estava tratando nesta carta. Como vimos acima, Paulo trata de muitas coisas práticas neste livro, mas finaliza com essa armadura, que se trata de uma realidade espiritual. Mas porquê? Muitos amados irmãos não conseguem ligar vida prática com vida espiritual. Mas a grande verdade é que nossa vida prática e diária deve ser uma das maiores manifestações espirituais que as pessoas ao nosso redor podem ver e experimentar.

 Características da Guerra Espiritual 

 Fortalecidos no Senhor 

E prossegue: “sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder”. Muito significativo e interessante que o primeiro tema desse texto seja nos fortalecermos no Senhor. Temos que entender que nós enquanto cristãos devemos ser fortes e firmados com segurança e profundidade em Cristo. Não podemos nos contentar com uma vida cristã derrotada, que não alcança coisa alguma. Se vivemos assim não venceremos nós mesmo e nem o diabo. Precisamos, por fé, crer naquilo que o Senhor já nos deu. Tendo esse entendimento passamos a nos perguntar: como podemos nos fortalecer assim? O próprio Efésios nos responde no capítulo 3: “para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior;” (Efésios 3:16).

Esse versículo desvenda a forma como devemos nos fortalecer, ou seja, mediante o Espírito Santo. Nada, repito, nada pode ser realizado espiritualmente sem comunhão intensa com o Espírito Santo. Ter comunhão com Ele no nosso homem interior já é, por si só, uma grande honra! Ele é o nosso Consolador, aquele que tem contato conosco e disso não podemos abrir mão. Pelo contrário, devemos orar sem cessar, estando com o Senhor continuamente em nossas vidas. Assim nos fortaleceremos Nele e poderemos de fato tomar essa armadura.

 A nossa luta 

Uma vez fortalecido no Senhor podemos de fato tomar a armadura. Mas agora é colocada mais uma informação. A armadura de Deus á para ficarmos firmes contra as ciladas do diabo. E essa é uma informação muito importante. Muitos cristãos vivem suas vidas como se o diabo não existisse. E é esse de fato seu objetivo. Fazer-nos crer que ele não existe. Mas ele está aí criando ciladas a todo tempo para causar dano à obra de Deus na Terra. O versículo prossegue tratando de uma luta. Além de entendermos que o diabo cria ciladas para o povo de Deus também nos é dito que existe uma batalha sendo travada. E nessa batalha que é travada nós não podemos ficar alheios. Aqui é dito: “porque a nossa luta...”. Existe uma palavra aqui que nos chama à atenção. Essa luta é nossa. Sim! Essa luta depende de mim e de você. Mas se você duvida, vejamos o salmo 110: “Disse o SENHOR ao meu senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés. O SENHOR enviará de Sião o cetro do seu poder, dizendo: Domina entre os teus inimigos” (Salmos 110:1-2).

Esse é um Salmo maravilhoso! Aqui Davi relata uma conversa entre Pai e Filho. A deidade se comunicando! Que maravilha! Essa realidade se cumpriu com a morte e ressurreição de Jesus. Ao cumprir toda as coisas Jesus foi exaltado à destra do Pai e hoje está assentado no Céus. Entretanto vemos que Jesus está assentado, o que mostra uma posição de descanso. No versículo seguinte o Senhor revela a forma como Ele subjugará o inimigo. Ele enviará de Sião o cetro do seu poder. Hoje a Sião espiritual é a Igreja. O lugar de onde o Senhor pode dominar toda a terra. Mas o Senhor deseja que essa Igreja vença por Ele, uma justa cooperação a fim de que o inimigo seja vencido. Quanta responsabilidade nós temos irmãos! Somos cooperadores do Deus vivo para vencer as potestades, os principados, os poderes e os dominadores.

 Não é contra carne e sangue

Temos que lembrar que nossa luta não é contra carne e sangue. E isso quer dizer a Igreja e o mundo. Muitos irmãos vivem em pé de guerra, mas eles não sabem na verdade quem é, de fato, o seu inimigo. O diabo cria muitas situações para nos dividir. Aliás a divisão é uma das suas armas prediletas. Devemos estar atentos e nos esforçarmos diligentemente por manter a unidade do Espírito no vinculo da paz.

Nosso inimigo é organizado. Não pense você que lutamos contra uma algazarra. Os principados e potestades são a organização do diabo. Assim como no mundo temos os país, ducados, principados, estados e nações o diabo também se organiza. E quando lutamos, lutamos contra essas hostes da nossa região. Interessante notar que cada lugar tem uma certa característica, pecados, cultura. Isso, em grande parte, mostra quais são os demônios e espíritos malignos que atuam naquela região, de acordo com a sua potestade.

 Os dominadores deste mundo tenebroso 

Nós também lutamos contra os dominadores deste mundo tenebroso. É fácil perceber que o mundo sempre segue tendências. Não se deixe enganar. Tudo já foi planejado e projetado para que o diabo reinasse nesse mundo. Nada que provém do mundo pode vir de Deus. O mundo pertence ao diabo e tudo que há no mundo também pertence a ele. Não, não estou sendo radical. “O mundo jaz no maligno” são as palavras de Jesus. Devemos ter em mente essas coisas, principalmente os mais jovens. Hoje em dia a cultura do mundo tem penetrado nas igrejas de modo assustador. O diabo hoje não tenta mais proibir as pessoas de se achegarem ao evangelho, mas ele se esforça, com sucesso, a introduzir o mundo na Igreja. Também lutamos contra isso. Não lutamos contra a carne, mas não podemos e não iremos acatar ou aceitar doutrinas de demônios. Ainda que sejamos como Antipas, aquele servo fiel. Antipas significa: “contra tudo e contra todos”. Ninguém sabe ao certo se Antipas foi, de fato, uma pessoa ou um grupo de pessoas. Mas em seu tempo ele teve percepção da corrupção do diabo e não aceitou essa dominação. Ele se virou contra tudo e contra todos para vencer os dominadores deste mundo. Precisamos de mais Antipas hoje em dia! Homens valorosos, intrépidos, corajosos, que se voltam a Deus e não às fábulas. Levanta esse povo Senhor!

 As forças espirituais do mal 

Por fim nossa luta é contra as “forças espirituais do mal, nas regiões celestes”. Essas forças espirituais são os demônios e espíritos malignos que atuam na prática na vida diária. Sabemos por meio da carta de Judas que alguns demônios estão presos em algemas eternas. Existem muitos tipos de anjos assim como também existem tipos de demônios e espíritos. É como se houvesse uma hierarquia entre eles. Os de maior hierarquia e poder atuam nos principados e potestades, enquanto os de menor hierarquia e poder são essas forças que atuam nas regiões celestes, os soldados da linha de frente.

 O campo de batalha da Guerra Espiritual 

Quando tratamos acerca da guerra espiritual devemos atentar, em principio, para alguns pontos básicos que causam derrota aos irmãos. O primeiro erro é pensar que essa guerra não existe, algo bem comum. Outro erro é quando já temos conhecimento de sua existência, mas vivemos alheios a ela. Se estamos nesse patamar já estamos derrotados. Também devemos atentar para não entrar nessa guerra sem as armas corretas. Se isso acontece poderemos sucumbir aos ardis e artimanhas de satanás, que está a todo tempo buscando a quem tragar.

Estamos sujeitos a duas guerras distintas: a interna e a externa.

 A guerra Interna

Em nossa guerra interna a nossa carne é o nosso inimigo. Não subestime a sua carne! O apóstolo Paulo descreve bem essa maldade que está dentro de todos nós e no fim do capítulo 7 ele declara: “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo” (Romanos 7:18). Esse não é uma característica específica de Paulo. Todos nós somos totalmente corruptos! Em nossa carne não habita bem algum!

Tal é essa guerra que vemos em 2 Coríntios a descrição das fortalezas, da altivez e dos sofismas: “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo” (2 Coríntios 10:4-5). A carne é inimiga do Espírito e por consequência se opõe ferrenhamente a Deus e a sua obra. O resultado são as fortalezas, conselhos e altivez. A carne utiliza de todos os meios disponíveis para obscurecer o conhecimento de Deus aos homens. E o diabo, utilizando-se dessa ferramenta, estabelece as fortalezas.

A nossa carne é tão terrível e pecaminosa! Como vencê-la? “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne” (Gálatas 5:16). A única forma de vencer a carne é através de um viver diário no Espírito. Essa é uma luta que deve ser travada e vencida todos os dias. Todos os dias devemos nos oferecer como ovelhas mudas diante de nossos tosquiadores. Negar nossas vontades, desejos, sonhos e escolhas para que a sublimidade da vida de Deus habite em nossa vida. E isso só será possível se nos esforçarmos dia a dia a voltarmos ao nosso espírito em todo o tempo em oração para termos comunhão com Jesus. Assim toda fortaleza, altivez e conselhos serão destruídos pela poderosa mão do Senhor! Glória a Deus que nos concedeu seu filho Jesus totalmente suficiente para vencer a nossa carne!

 A guerra externa 

1) A guerra na mente

Como vimos na primeira parte deste estudo a nossa guerra externa é “[...] contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Efésios 6:12). Veja bem nossos inimigos externos são os principados e potestades este mundo tenebroso e seus dominadores e as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. Interessante perceber que o mundo faz parte desse pacote. E por mundo entendemos tratar-se de tudo aquilo projetado e trabalhado pelo homem.

Existem dois aspectos da nossa guerra externa. O primeiro aspecto é que essa luta se passa em nossa mente, constantemente. O diabo usa a mente das pessoas com toda sorte de artimanha para seduzir, enganar e destruir. Ele constantemente nos sugere coisas e possibilidades, assim como fez com Eva no jardim do Éden. A cultura desse mundo é outro ponto de ataque. Não se engane! O diabo e suas artimanhas estão a todo tempo nos testando para nos enganar.

Algo que ele tem sido bem sucedido é quando falamos de entretenimento. É algo recorrente hoje jovens cristãos serem movidos por séries de TV, filmes, música mundana. Irmãos, tudo isso pertence ao príncipe deste mundo, ao maligno Não seja tolo! Devemos usar o mundo como se dele não usássemos. Outro aspecto é quando falamos de religião. As muitas religiões são hoje uma armadilha aos incautos moribundos que nada entendem. Mal sabem eles que caminham para a morte! Mesmo as religiões evangélicas são usadas pelo diabo, que hoje aninha-se nos ramos de uma árvore muito grande.

Paulo retrata sobre esse primeiro aspecto da nossa luta externa na carta aos Romanos, no capítulo 12. Ele diz: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2). Esta é a chave para vencermos em nossa mente. Não nos conformar com este século é uma decisão que precisamos tomar, assim como fez Daniel e seus companheiros (Daniel 1:8). Pelo contrário, devemos renovar a nossa mente. Essa renovação não é algo fácil nem rápido mas um processo de nos apresentar constantemente a Deus em oração. Tiago descreve esse processo: “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. (...) vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração. Afligi-vos, lamentai e chorai. Converta-se o vosso riso em pranto, e a vossa alegria, em tristeza" (Tiago 4:8-9). Algo importante de se mencionar é que devemos andar segundo a vontade de Deus. Nesse ponto percebemos que para andar dessa forma precisamos nos livrar do mundo e renovar a nossa mente. Só assim seremos aptos a experimentar a boa, perfeita e agradável vontade de Deus e caminhar em vitória sobre o inimigo. Lutar contra o diabo não é uma decisão imposta por nós mesmos, mas uma vontade do Pai que deseja que sejamos vitoriosos. E para tanto precisamos depender do Espírito, ele mesmo se encarregará de mover todas as coisas.

2) As regiões celestes 

O segundo aspecto da guerra externa retrata as regiões celestes. Existe muito mais entre a Terra e o trono de Deus do que um mero vazio. Esses lugares são chamados de regiões celestes, e é o lugar de habitação de anjos, demônios e espíritos malignos É também onde ocorre a guerra espiritual. Vemos essa realidade em Daniel 10: “Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia” (Daniel 10:13). Daniel se aplicou à oração e ao prantear por três semanas, por isso lhe foi enviado um anjo para lhe fazer saber acerca da visão que tivera. Mas vemos que o príncipe da Pérsia o havia resistido por 21 dias para que ele não fosse a Daniel. Esse príncipe da Pérsia é um demônio nas regiões celestes que guerreou contra os anjos do Senhor para os impedir de levar a mensagem a Daniel.

Hoje essa guerra continua a acontecer nas regiões celestes. Ainda que não vejamos, ela acontece. Na verdade existem alguns irmãos com dom de visões que de fato vêem essas coisas acontecendo. Esses irmãos dão testemunho que essa luta é real e constante. O diabo e seus anjos militam a todo tempo contra Deus, contra o conhecimento de Deus e contra os santos a fim de os enfraquecer e derrotar. Sua estratégia e seu foco de batalha mudam constantemente a fim de confundir o povo de Deus. Essa é uma luta muito dinâmica e por isso Pedro no recomenda: “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar" (1 Pedro 5:8). Devemos permanecer vigilantes e em sobriedade para não sermos presas de satanás.

 O nosso inimigo: como vencê-lo? 

Mas quem é o nosso inimigo? Que ele é? Ele é uma pessoa; Jesus se referiu a ele, falou com ele e lhe pronunciou julgamento; os apóstolos o conheciam; ele é ativo em toda história da humanidade; se rebelou contra Deus (Isaías 14:12, Ezequiel 28). ao ser expulso do céu veio para a terra e causou muito dano à obra do Senhor; distorceu a palavra de Deus e enganou Eva, fazendo o homem cair; tentou Cristo (Mateus 4); usou e distorceu a palavra de Deus (Mateus 4); se opôs à obra de Deus; ele se levanta contra tudo o q se chama Deus (II Tessalonicenses 2:4); tenta bloquear a proclamação do Evangelho (2 Coríntios 4); ele engana as nações (Daniel, Isaías, apocalipse 16 e 20); guerreia conta Miguel e entra em conflito com os anjos de Deus (Daniel 10); ele administra o mundo como um todo; foi chamado de estrela da manhã; ele era querubim ungido; chamado príncipe deste mundo; príncipe da potestade do ar; deus deste século; príncipe dos demônios; ele é chamado 52 vezes de satanás (adversário); ele é chamado 35 vezes de demônio (caluniador); antiga serpente; grande dragão; descrito por Pedro como leão que ruge; descrito com sendo o mal (João 17:15); é chamado de abadom e Apoliom (Destruidor) (Apocalipse 9:11); é chamado de acusador (Apocalipse 12); espirito que atua nos filhos da desobediência; descrito como homicida e mentiroso; ele trabalha abertamente no mundo e discretamente na religião.

Mas nós não tememos o diabo. Nós vencemos o diabo! Aleluia! O medo também é arma do diabo para nos paralisar. Mas com fé permaneceremos com espírito inabalável. As vezes a igreja teme demais a satanás e se esquece que Deus é Senhor, inclusive dele, e que as suas atuações são delimitadas por ele (II Crônicas 18:18).

1) Sujeitar a Deus para vencer o diabo

Para vencermos o diabo no âmbito exterior de nossa luta temos que atentar para dois pontos. O primeiro ponto é retratado por Tiago em sua carta: “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tiago 4:7). Esse é um ponto crucial. Antes de tudo devemos nos sujeitar a Deus para vencer o diabo. E sujeição a Deus não é algo fácil. Sujeição a Deus é nos sujeitarmos a tudo aquilo que Deus deseja para nós e andarmos em tudo aquilo que Deus deseja. Quando nos sujeitamos a Deus negamos as nossas vontades e desejos. O Senhor passa a ser o centro da nossa existência, mesmo em nosso ministério, trabalho, escola ou faculdade. O simples fato de entrar na faculdade ou escolher um trabalho passa a ser sujeito aos desígnios de Deus em oração. Tudo que fazemos deve agora estar debaixo da vontade e do falar de Deus em nós. Por outro lado devemos também obedecer ao Espírito em tudo aquilo que ele nos guiar e falar. Muitos consideram que maturidade é omissão, é deixar que Deus, de alguma forma, lidere nossa vida de maneira alheia a minha pessoa. Entretanto não é assim. O Espírito testifica em nosso espírito a todo tempo acerca daquilo que devemos fazer e agir através dele mesmo. Devemos entender que somos cooperadores do Deus vivo! Se Daniel não tivesse se colocado em prantos para compreender a visão que tivera, de forma alguma o anjo do Senhor seria enviado para o esclarecer. Percebemos que tudo aquilo partiu de uma iniciativa única de Daniel, que se colocou em oração e súplica. Da mesmo forma, meus amados, a nossa fé é atuante! Isso é sujeitar a Deus. Buscar com o coração puro o Senhor e O perguntar “Senhor! Qual é a sua vontade para mim hoje? Faz em mim tudo aquilo que o Senhor deseja!” Essa deveria ser a nossa busca diária. E saiba disso: “[...] aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á” (Mateus 7:8).

2) Tomar a Armadura de Deus

O segundo ponto para vencermos o diabo em nossa luta externa é tomar toda a armadura de Deus. O Senhor foi misericordioso conosco ao colocar essas palavras em seu livro. A armadura de Deus é uma ilustração mais prática dessa luta. Ela trata dos pontos principais que devemos atentar para “que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes" (Efésios 6:13). Esse é o objetivo da armadura. Resistir aos intentos de satanás pois ele certamente se levantará contra todo aquele que deseja conhecer a plenitude do nosso Senhor. Se esse é o seu desejo saiba que haverão lutas e a armadura te ajudará a permanecer firme em Deus.

Comentários