A Igreja dos Últimos Dias: Tempos de Laodiceia (Apocalipse 3)

#Estudo #Esboço #Explicação #Sermão #Mensagem #Pregação #Meditação #Devocional #O que é #Significado #Comentário #Bíblia #Carta #Revelação #Cidade #Igreja #Últimos dias #Tempo do fim #Fim dos tempos #Fim dos dias #Final dos tempos #Laodiceia #Sete Igrejas

"Ao anjo da igreja em Laodiceia escreve: Estas coisas diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca; pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu" Apocalipse 3:14-17.


 Introdução 

Esta é a terceira parte do estudo A Igreja dos Últimos Dias. Depois de verificar as características das pessoas deste tempo citadas na segunda carta de Paulo à Timóteo, veremos um exemplo que nos foi dado no livro de Apocalipse. Nos capítulos 2 e 3 de Apocalipse o Senhor nos revela sete cartas destinadas às sete Igrejas da Ásia. Estas cartas foram cartas de cunho histórico e cada uma representava a situação atual em sua cidade. Porém, ao mesmo tempo, estas cartas também refletiriam o estado da Igreja desde a sua fundação por Jesus em Jerusalém há dois mil anos atrás. Trata-se de uma profecia sobre o estado das Igrejas através das eras e que vimos ter se cumprido quase que totalmente, visto que podemos ver estas características ao longo da história da Igreja. O relato detalhado destas Igrejas será desenvolvido no estudo de Apocalipse que estou desenvolvendo. Por hora devemos entender que Laodiceia representa, profeticamente, a última era da Igreja sobre a terra e que também nos revela a situação dos irmãos deste tempo, a Igreja dos últimos dias.

Caso tenha interesse, leia as primeiras partes deste estudo antes de prosseguir com esta leitura. A primeira parte trata sobre A aparência da piedade e é uma excelente reflexão sobre nós mesmos, sobre quem são as pessoas à nossa volta e sobre aspectos do caráter que são marcantes neste tempo. A segunda parte, Corrompidos na mente, réprobos quanto à fé, trata de características mais amplas relacionadas a fé cristã neste tempo e também sobre o resultado de sermos corrompidos na mente e reprovados quanto a fé. Por fim, este texto trará uma visão geral da Igreja como um todo.

 Laodiceia 

Laodiceia foi uma Igreja da Ásia menor, onde hoje é a Turquia, e ficava bem perto da cidade bíblica de Colossos. Por estar situada no vale do rio Lico e ser rota comercial do mundo antigo, a cidade era muito rica e influente e ainda conhecida por seus tecidos, medicina e também por ser um importante centro bancário.

Haviam mais duas cidades no vale do rio Lico: Colossos e Hierápolis. Colossos era uma cidade conhecida por suas águas geladas e boas para o consumo. Hierápolis era conhecida por suas águas termais que ajudavam no tratamento de algumas doenças. Laodiceia, porém, não possuía fontes de água e precisou desenvolver um sistema de aquedutos para levar água até a cidade. Mas a água que chegava a Laodiceia era aquecida pelo sol no caminho e chegava a cidade morna. Assim ela não era boa para o consumo como a água de Colossos nem termal e boa para a saúde como as águas de Hierápolis.

 A Igreja dos Últimos Dias 

Quando lemos esta carta podemos considerar que esta é uma mensagem para aquelas pessoas que estão na comunhão da Igreja, mas que estão com um pé no mundo, mas não é bem assim. Como vimos acima as águas de Laodiceia não tinham nenhuma função enquanto as águas de Colossos e Hierápolis tinham um funcionalidade específica. Esta parece ser a maior repreensão de Deus: a falta de função.

Quando consideramos que Laodiceia representa, profeticamente, a situação dos irmãos da Igreja dos últimos dias, percebemos que este é talvez o melhor exemplo para descrever o nosso tempo. Você quer uma prova? Façamos um teste rápido. Responda estas duas perguntas abaixo:
  1. Qual é o seu ministério, conforme 1 Coríntios 12:28?
  2. Qual é o dom que Deus lhe concedeu, conforme 1 Coríntios 12:8-10?
Se você não soube responder estas perguntas, ou se a sua resposta não se baseia nos textos de 1 Coríntios, então alguma coisa está errada. Mas não se culpe. Esta não é uma situação isolada, mas a realidade do nosso tempo. Somos uma geração que não produz frutos genuínos para o reino de Deus. Produzimos frutos para nós mesmos ou para uma comunidade de irmãos, mas isto para Deus, quase sempre é nada. Somos todos água morna e Deus está a ponto de nos vomitar.

Hoje em dia vemos muitos ministérios, mas poucos são os que se baseiam no texto de 1 Coríntios. Qualquer atividade que se faça no meio gospel torna-se, automaticamente, um ministério. Isto também é uma fábula do diabo e uma mentira para nos enganar e engodar ainda mais. Ao passo que nós deveríamos nos perguntar: onde estão os profetas, mestres, evangelistas e operadores de milagres? Será que só existem pastores na Igreja? Alguma coisa está muito errada quando percebemos que encaixotamos todas as pessoas sob o mesmo título. E é exatamente isso que o ministério se tornou: um título.

Igualmente vemos que este título fez com que fossem estabelecidos donos da verdade. Perceba que apenas tem voz no meio das congregações os pastores. Se alguém se levantar cheio do Espírito de Deus na sua congregação será que ele será ouvido ou será calado ou convidado a se retirar? Perceba que alguma coisa está muito errada quando não temos voz ou quando apenas algumas pessoas podem emitir opinião. Nunca foi assim em toda a história da Igreja ou do povo de Deus no Antigo Testamento, pois não nos reuníamos da forma como fazemos hoje.

Há um texto no segundo livro de Crônicas bem interessante: "Então, veio o Espírito do SENHOR no meio da congregação, sobre Jaaziel, filho de Zacarias, filho de Benaia, filho de Jeiel, filho de Matanias, levita, dos filhos de Asafe" 2 Crônicas 20:14. Neste texto o rei Josafá apregoou um jejum em todo Judá para que as pessoas pedissem misericórdia a Deus e para que Deus os livrasse de um grande exército que vinha contra eles. Veja que o Espírito não veio sobre o rei Josafá, mas sobre toda a congregação. E quem era Jaaziel para que fosse usado por Deus? Certamente uma pessoa comum, um qualquer no meio da multidão. Mas Deus escolheu este homem para falar ao rei Josafá e a toda Judá.

Também não sabemos sobre nossos dons ou sobre nosso ministério, pois as congregações dizem que é necessário cursar uma faculdade como se os ministérios fossem estabelecidos como uma profissão, o que também é uma fábula. Nem Paulo, nem Pedro nem João se formaram em uma faculdade para serem homens sábios e cheios do Espírito de Deus. Mas todos eles se dispuseram a conhecer Jesus face a face. Pedro e João caminharam com o mestre três anos e meio e foram ensinados, corrigidos e conduzidos. Paulo, por sua vez, após Jesus se revelar a ele, e mesmo sendo conhecer profundo do antigo testamente, passou doze anos no deserto reaprendendo todas as coisas para só então ser chamado por Deus para o ministério. É isso que devemos fazer. Buscar a Deus em nossa intimidade. Deus deseja se revelar a nós dentro do nosso quarto e nos ensinar todas as coisas. Conforme o mesmo Paulo nos ensinou, que em "Cristo [...] todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos" Colossense 2:2-3.

As denominações do nosso tempo erram em tantas coisas que é inviável e impossível falar sobre todos estes erros! Se compararmos a realidade bíblica dos ministérios ao que é feito hoje em dia veremos que algo está muito errado. Mas Deus chama aquelas que não se contentam com o pouco. Busque mais de Deus e, certamente, encontrará riquezas, sabedoria e a vida eterna.

 Pobre, cego e nu 

Laodiceia era uma cidade muito rica e influente e tinham quase tudo que necessitava. A cidade produzia tecidos de lã negra que eram muito raros e famosos à época e também produzia um colírio, que era também bem era raro. Aparentemente possuíam tudo que lhes era necessário. 

É interessante este exemplo de Laodiceia, pois em nossos dias a situação da Igreja Ocidental, de uma forma geral, se encaixa muito bem. Vivemos um tempos em que a Igreja tem, praticamente, tudo: temos louvor, temos grandes congregações, temos muitos astros evangélicos, temos um mercado cristão que cresce sem parar, temos influência política, temos muito dinheiro, temos influência social, etc. Temos tudo e não nos falta nada e é exatamente este o grande problema. Será que Deus precisa de tudo isso?

 A Pobreza 

A Igreja hoje, assim como foi neste exemplo de Laodiceia, é miserável, pobre cega e está nua. Temos muito dinheiro e influência, mas perdemos o que mais importa: a presença real do Espírito Santo de Deus. Nada adianta ter dinheiro nas Igrejas se o Espírito de Deus não está neste negócio. Quando passamos a dar mais atenção ao dinheiro, aos dízimos e às doutrinas de bênçãos e da prosperidade, esquecemos de Servir a Deus, pois "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas" Mateus 6:24.

E quando eu digo estas coisas quero deixar claro que estou criticando não apenas algumas denominações que se dedicam ao dinheiro, mas a todas elas. Esta mentalidade já está enraizada em nossas mentes e nós nem conseguimos perceber. Jesus nunca precisou de um centavo sequer de quem quer que seja, mas ele se preocupou em todos os momentos de sua vida em cumprir cabalmente a vontade de Deus e veja que nada lhe faltou. 

 A Cegueira 

Outra característica do nosso tempo é a cegueira, assim como foi em Laodiceia. Veja que ninguém se levanta contra todos estes pontos que citamos acima, pois a maioria de nós nem percebe estas coisas. Estamos cegos, mas ainda assim batemos no peito com orgulho de possuir uma doutrina melhor e mais correta que a dos nossos irmãos. É uma incongruência muito grande se considerar sábio, mas negar a realidade das escrituras. É como estar, de fato, cego, sem poder enxergar a realidade adiante de nós.

E não só estamos cegos em relação a estas coisas na Igreja, mas estamos cegos em relação ao tempo em que vivemos. A maioria de nós vive como se este tempo não fosse o Princípio das Dores ou como se tudo que se passa no mundo é totalmente normal e Deus se demora em voltar. Estamos cegos e nada vemos. E conforme está escrito em Daniel, "muitos serão purificados, embranquecidos e provados; mas os perversos procederão perversamente, e nenhum deles entenderá, mas os sábios entenderão" Daniel 12:10.

 A Nudez 

A nudez é a última das características citadas de Laodiceia. É interessante porque a cidade era produtora de lã, como vimos. A nudez, entretanto, está mais relacionada a santidade neste contexto. Na maioria das citações sobre pessoas vestidas de vestiduras brancas (Apocalipse 7:9) o texto está se referindo especificamente a santidade. Se estamos nus é certo que não temos santidade.

Igualmente, vemos que hoje em dia perdeu-se a característica da santidade no meio da congregação dos irmãos do nosso tempo. O que se vê é um todo de pecado e irmãos que não conseguem vencer o pecado e o mundo. A começar dos pastores e líderes que são pegos constantemente em escândalos e em pecados de todos os tipos. A Igreja dos últimos dias está nua e necessita das vestiduras brancas da santidade. Precisamos de santidade, pois sem sanidade é impossível ver a Deus. Também é impossível receber a habitação que vem do alto, se formos encontrados nus, conforme vemos em Coríntios: "E, por isso, neste tabernáculo, gememos, aspirando por sermos revestidos da nossa habitação celestial; se, todavia, formos encontrados vestidos e não nus" 2 Coríntios 5:2-3.

 Conclusão 

Quando examinamos a carta de Laodiceia e a relacionamos ao nosso tempo percebemos que ela se refere exatamente a este momento da história. É impossível perceber isto e negar esta verdade. E se negarmos esta realidade continuaremos cegos, pobres e nus. Devemos perceber a realidade deste tempo, nos arrepender e negar tudo aquilo que é religião morta em si mesmo. Que caia por terra pelo poder que há no nome de Jesus!

Deus continua procurando os seus vencedores e Jesus não voltará enquanto não se completarem os nossos conservos que precisam ser mortos, além de que também é necessário que neste tempo surja o filho varão, que há de reger toda a terra. Assim, também haverão vencedores neste período e é necessário sermos encontrados como vencedores para que a obra de Deus seja completada. Do contrário seremos como a mulher que é levada ao deserto em Apocalipse 12.

Isso é tão sério que, provavelmente, os irmãos desta era verão o arrebatamento dos santos vencedores e o surgimento deste filho varão. E, caso não sejam arrebatados, sofrerão todos os flagelos descritos por João. Bom é que nos arrependamos e que sejamos encontrados fiéis no grande dia do Senhor, que não tarda. Vem Senhor Jesus! Completa em nós a sua obra!

Comentários