Onde está o teu tesouro? (Mateus 6:19-21)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Comentário #Significado #Sermão #Pregação #Mensagem #Palavra #Meditação #Devocional #Catequese #Versículos #Bíblia #Evangelho #Evangélico #Evangélica #Cristão #Cristo #Jesus #Deus #Tesouros #Traça #Ferrugem #Ladrões #Tesouros no Céu #Coração #Dois Senhores #Estudo de Mateus #Mateus #Mateus 6 #Sermão do Monte #Sermão da Montanha #Livro de Mateus #Traça #Coração #Tesouros sobre a Terra #Tesouro #Tesouro no Céu #Ferrugem

“Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam; mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” Mateus 6:19-21.

Há alguns dias o Senhor nos têm trazido várias palavras sobre fé e descanso e culminou, nesta última semana, com um tremendo encargo sobre o perigo das riquezas. Aqui nós falaremos um pouco sobre este último tema.

A questão relacionada à riqueza não está meramente ligada ao poder aquisitivo ou ao bom emprego que alguém possa conseguir. Todas essas coisas, porém, nos dizem onde está o nosso coração. Pois está escrito: "onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração".

Uma das coisas que me chamam a atenção no texto é o que ele retrata acerca do nosso coração. Não devemos colocar nosso coração em coisas materiais que perecem, mas devemos nos voltar a Deus. Se nosso coração está aqui nesta terra certamente ele não está voltado para o Senhor. Por isso devemos ter cuidado para que não nos deixemos enganar pelas coisas deste mundo. É muito fácil se perder naquilo que gostamos de fazer e nem mesmo percebemos quando o mundo nos suga e enlaça com suas redes. Satanás usa muito bem as artimanhas deste mundo para nos contaminar de alguma forma. Seja por tirar nosso alvo de Cristo, seja nos manchar em acusação ou nos enredar com o mundo.
Muitos amados irmãos em nossos dias têm sucumbido por causa destas coisas. Nós, por vivermos em um mundo capitalista, consideramos ser correto o trabalho exacerbado e o conseqüente acúmulo de riquezas. E assim o nosso coração vai sendo enredado por várias riquezas e com vários cuidados deste mundo. Se seguimos esta vida acabaremos por esquecer de Jeová Jireh, Deus o nosso provedor. Devemos nos lembrar que: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas” (Mateus 6:24).

O perigo da riqueza é real é mais profundo do que imaginamos. Muitas vezes estas coisas não chamam a nossa atenção, pois não tratam especificamente dos nossos pecados carnais. Também em Mateus 13:22 é dito: “O que foi semeado entre os espinhos é o que ouve a palavra, porém os cuidados do mundo e a fascinação das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera”. Este texto é uma parte da explicação que Jesus deu a seus discípulos sobre a parábola do semeador. No texto Jesus explica que a semente caída entre espinhos são aqueles irmãos que escutam a palavra, mas os cuidados deste mundo e a fascinação das riquezas sufocam a palavra a ponto de a tornar infrutífera. O ponto culminante do texto é a palavra "infrutífera". Jesus não diz que a palavra foi roubada ou secou-se, mas disse que ela ficou infrutífera. Como há irmãos infrutíferos em nossos dias! É importante perceber que a única diferença entre esses irmãos e os da boa terra é que eles são infrutíferos e esta característica pode passar despercebida em muitas situações. Esse é o mesmo principio do trigo e do joio. Ambos são iguais. A diferença é o fruto que produzem ou deixam de produzir.

Em João o Senhor Jesus complementa esta palavra nos dizendo acerca de uma videira. Ele diz: “Todo ramo que, estando em mim, não der fruto, ele o corta” (João 15:2). E diz mais: “Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam” (João 15:6). Devemos compreender a importância de dar frutos. Assim Deus é glorificado e assim nós nos tornamos discípulos de Jesus (João 15:8).

Portanto nós devemos nos atentar exclusivamente para Deus que nos supri em toda e qualquer circunstância. Devemos esperando Nele a resposta das nossas dificuldades e não confiar em nós mesmo para saciar qualquer necessidade. Antes de tudo devemos buscar, em primeiro lugar, o Seu reino e todas as coisas que temos necessidade nos serão acrescentadas (Mateus 6:25-34). Glória a Deus! Porque Ele mesmo sabe do que precisamos para viver e nos dará em tempo oportuno. E se não conceder em tempo oportuno e por ocasião tivermos fome, Ele mesmo enviará a sua provisão. Sendo pobre ou tendo fartura devemos nos achegar a Ele e servi-Lo com gozo a fim de que Sua obra em nós seja completa. E em vindo a necessidade sei que Deus enviará anjos ou mesmo homens para suprir toda a necessidade dos seus filhos. Porque se mesmo às aves do céu ele concede a provisão, quanto a nós homens de pouca fé?

Que essas palavras testifiquem ao seu coração. Não importam os nossos bens ou riquezas, pois Deus precisa ser a primazia em nossas vidas. Ele mesmo é o centro de todas as coisas. À Jeová, o Deus invisível e todo poderoso, seja a glória e a honra e o poder pelos séculos dos séculos. Amém!

Comentários