Não ameis o mundo: A concupiscência dos olhos (1 João 2:16)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Comentário #Significado #Sermão #Pregação #Mensagem #Palavra #Meditação #Devocional #Catequese #Versículos #Bíblia #Evangelho #Evangélico #Evangélica #Cristão #Cristo #Jesus #Deus #Não ameis o mundo

"porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo" 1 João 2:16.

 Introdução 

Se a concupiscência da carne trata do pecado aparente, a concupiscência dos olhos trata da pureza do nosso coração, daquilo que não se vê. Para vencer a concupiscência dos olhos, portanto, precisamos purificar o nosso coração. Os olhos são a candeia do corpo, ou seja, as janelas por onde vemos todas as coisas deste mundo. O que são os olhos senão o caminho por onde vemos o mundo? Nossos olhos sempre desejam ver aquilo que é agradável à nossa carne. Porém, tudo que é agradável aos nossos olhos e todas estas luzes chamativas não procedem de Deus, mas do mundo. Porque é o mundo que oferece aquilo que é aparente.

A imagem escolhida para este estudo nos mostra isso muito bem. O mundo tenta agradar os nossos olhos de todas as maneiras: com a beleza, com as luzes, com a grandeza, com os sonhos e promessas. Enquanto isso vemos Jesus que não nasceu em palácios, mas em um estábulo no meio dos animais. Será que acreditaríamos que ali havia nascido o filho de Deus e o salvador do mundo? Um lugar que era posto na parte de fora da casa e à uma certa distância por ser muito fedido e desprezível. Este foi o lugar onde nasceu o nosso salvador. Não era aparente nem chamativo, mas foi o lugar escolhido por Deus para que seu filho fosse concebido. Neste lugar apenas chegaremos através da revelação verdadeira de Deus, porque é impossível aos olhos carnais perceber riqueza em tais lugares, pois não são aparentes.

Existem vários exemplos assim na palavra de Deus. Um dos mais interessantes é o exemplo de Ló, que ao ver os campos irrigados das planícies, foi para Sodoma. Abraão, entretanto, subiu o monte para viver nos carvalhais de Manre. Este é um princípio ainda atuante. Se vivemos conforme o que vemos nossa tendência é habitar em meio aos pecadores deste mundo, mas quando não vivemos conforme o que vemos, então subiremos a montanha em busca da firmeza de Manre e viveremos em meio aos carvalhos. Foi ali que o Senhor visitou Abraão e não na planície.

O carvalho é uma árvore muito significativa na palavra. Isaías 61 nos conta sobre o ano aceitável do Senhor e sobre como ele mesmo colocou em Sião uma coroa em vez cinza, óleo de alegria em vez de pranto, vestes de louvor em vez de espírito angustiado. E tudo isso "[...] a fim de que se chamem carvalhos de justiça, plantados pelo SENHOR para a sua glória" Isaías 61:3. Se não andamos pela aparência estaremos em meios aos carvalhos de justiça, a plantação gloriosa de Deus para sua própria glória.

 O que é a concupiscência dos olhos? 

Para entender a que João estava se referindo quando ele mencionou a concupiscência dos olhos nós precisamos entender duas coisas: do que se trata a concupiscência e a influência dos nossos olhos em meio ao mundo ou a influência do mundo aos nossos olhos.

 A concupiscência 

O que seria essa concupiscência? A concupiscência não é o pecado, mas é o que nos atrai para ele. É tudo aquilo que me atrai para pecar. Todos nós possuímos desejos e cobiças específicas, que são as nossas concupiscências pessoais. É este desejo que nos atrai ao pecado.

É interessante entender este processo, pois podemos nos beneficiar disso. Por exemplo, você sabia que não é pecado ser tentado? Não é pecado ser tentando, pois todos nós somos tentados todos os dias. Se a tentação fosse pecado até mesmo Jesus teria falhado em sua missão, pois o Espírito Santo o conduziu ao deserto para ser tentado pelo diabo. Mas Jesus venceu, porque foi tentado e não cometeu pecado algum e nem dolo foi encontrado em sua boca. Glória a Deus que nos ensina o caminho da santidade.

Ninguém peca sem uma origem. Podemos dizer que a nossa concupiscência é a origem do pecado, de onde ele emana. Há uma citação supostamente de Martinho Lutero que diz que “Você não pode impedir que um pássaro pouse em sua cabeça, mas, pode impedir que ele faça ninho”. Essa frase explica bem a diferença entre concupiscência e pecado. É impossível impedir que venham as tentações e pensamentos malignos, pois somos todos carnais. Mas é possível evitar que este pássaro crie morada em nossa cabeça, pensamentos e emoções.

 Os olhos são a candeia do corpo 

"A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!" Mateus 6:22,23.

O primeiro princípio que devemos entender que levaram nosso irmão João a escrever sobre os olhos é que eles são a candeia de todo o nosso corpo. A nossa alma se conecta com o mundo exterior principalmente através dos olhos. É através dos nossos olhos que vemos o mundo, as suas cobiças, os pecados e a morte. E esse princípio é muito interessante, porque assim percebemos que para vencer o mundo nós precisamos primeiro subjugar os nossos olhos.

Este tema é tão sério que Jesus nos ensina que se os nossos olhos forem maus, então todo o nosso corpo estará em trevas. Ou seja, se os nossos olhos buscam as trevas, então consequentemente o nosso interior também estará em trevas. Mas se os nossos olhos forem bons, então o nosso corpo estará completamente luminoso.

É um princípio muito simples, mas que faz toda a diferença. Os olhos na palavra fazem essa conexão do mundo com aquilo que está dentro do nosso coração e vice verça. Veja a descrição de Jesus glorificado em Apocalipse: "E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo" Apocalipse 1:14. Por que será que os olhos de Jesus são como chamas de fogo? Seus olhos são como chamas porque ele mesmo é o fogo consumidor. O seu interior tem a mesma natureza de Jeová. O livro de Êxodo nos diz que quando a glória do Senhor passou sobre o monte Sinai "o aspecto da glória do SENHOR era como um fogo consumidor no cimo do monte" Êxodo 24:17. E é essa mesma glória poderosa que habita o interior de Jesus.

É assim que os nossos olhos devem ser. Se olharmos para aquilo que é bom, a luz do Espírito Santo habitará todo o nosso corpo e consequentemente os nossos olhos resplandecerão a luz da vida de Deus. Mas se permanecermos no erro olhando aquilo que não convém, então o nosso corpo será consumido em trevas e o nosso fim será a corrupção do fogo eterno.

 A Sedução dos olhos 

Através dos nossos olhos o mundo nos seduz e tenta nos atrair para o pecado. Nos pontos abaixo eu descrevi alguns dos principais aspectos em que percebemos que o mundo tenta nos enredar e vencer.

 A aparência do mundo 

"Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu" Gênesis 3:6.

Devemos observar que a aparência do mundo é extremamente bela e atrai os nossos olhares. O que acontece, frequentemente, é que somos atraídos e enganados não percebendo que é o mundo que nos oferece estas coisas belas. É claro que aquilo que é belo irá nos atrair e o nosso coração tenderá a nos enganar para pensar que aquela beleza só pode mesmo ser proveniente de Deus. Mas o nosso coração é desesperadamente corrupto e a nossa justiça como trapos de imundícia. Não devemos confiar em nós mesmos, pois assim seremos derrotados. Veja que Eva foi seduzida pelo fruto do conhecimento do bem e do mal, entre outros motivos, porque ele era "agradável aos olhos". As ofertas do mundo aos nossos olhos sempre serão agradáveis e por isso devemos nos atentar para tudo que seja aparente ou agradável. Eva foi enganada pois não conhecia a instrução de Deus. Igualmente satanás tenta macular o conhecimento vivo da palavra e da santidade em nossos dias, brilhando em nossos olhos as ofertas da árvore do conhecimento.

Quando eu menciono esta aparência talvez você considere que eu esteja falando daquilo que não é 'gospel'. Porém é importante perceber que este mundanismo já há muito tempo penetrou em nossas denominações. Não é tão difícil perceber estas coisas. Se você nasceu de novo tenho certeza que alguma coisa te diz que há algo muito errado em nossas denominações. O que está errado é que nós transformamos um ambiente de santificação e pureza em um covil de lobos devoradores. As denominações estão infestadas de incrédulos e pessoas que nunca conheceram a graça e a misericórdia de um Deus misericordioso. O nosso louvor se tornou um show; as pregações se tornaram em palestras de auto-ajuda; reunir se tornou em um evento social onde encontramos outras pessoas e os locais de reunião parecem mais como palácios, sendo que Deus não habita em templos feitos por mãos humanas.

O que é tudo isso? A aparência deste mundo penetrou. Somos vaidosos e orgulhosos e temos todas as características dos incrédulos. Qual a nossa diferença para o mundo? Somos tímidos e não falamos sobre o evangelho da salvação, que tem poder para salvar este mundo. Enquanto isso Jesus continua nascendo em Belém, numa estrebaria junto aos animais. Não é uma figura bonita como o catolicismo prega. É um nascimento sofrido e feio, sem nenhuma aparência visível. Todavia, ali é nascido o Rei dos Reis que julgará todos aqueles que praticam a iniquidade.

 De onde procedem os maus desígnios? 

É importante perceber, e ter muita atenção nesta sedução, porque é do interior que procedem todos os maus desígnios. Veja o versículo de Marcos capítulo 7: "Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem" Marcos 7:21-23.

Este texto é, no mínimo, esclarecedor. De onde vem todos os males e o pecado do homem? Eles vem do seu próprio interior. É do interior do homem que emanam estas coisas. Quando olhamos para o que é mau, então o nosso interior será mau e nós iremos, com toda a certeza, nos enredar no pecado. O fruto de viver na carne pode apenas ser pecado, morte e a nossa corrupção no Dia do Senhor. A nossa concupiscência está sempre à procura de catalizadores para o seu desejo. Sempre desejando se saciar. Se damos espaço para os nossos olhos buscarem estas coisas, certamente eles encontrarão as sujeiras do mundo e assim a consequência dessa vida será ter trevas em nosso interior. Se a luz que há em mim são trevas, quão grandes trevas são! Se no meu interior existe concupiscência, então não há outro caminho senão o caminho do pecado.

 O caminho do pecado 


"Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela" Mateus 5:28.

Um dos grandes objetivos de João ao falar acerca da concupiscência dos olhos é nos alertar que o pecado nos contamina por causa dos nossos olhos. Como vimos na introdução deste texto, a concupiscência dos olhos trata o nosso interior, e por consequência, a nossa vida subjetiva. Se damos espaço em nossa mente para as nossas concupiscências, então a consequência não pode ser outra senão o pecado.

Os desejos da carne são um bom exemplo disso. Estes tipos de pecado não surgem do nada, mas eles são semeados na nossa mente através dos nossos olhos. Se tão somente olhamos para uma mulher com intenção impura em nosso coração, então certamente nós já cometemos pecado. Este é um dos maiores erros dos homens e não seria possível comentar acerca da concupiscência dos olhos sem mencionar estas coisas.

É muito triste ver que quase todos os irmãos pecam e erram demasiadamente neste ponto. E até mesmo as irmãs costumam também cair, pois vivemos no século da beleza aparente e das ofertas do mundo. Se ligamos a televisão ela escreta todo tipo de sujidade nas nossas mentes e, principalmente, as imundícias da nudez, do sexo e da pornografia. A nossa mente é ensinada que estas coisas são comuns e que não precisamos nos purificar delas. Desta forma o diabo alcança seu objetivo e derrota a maior parte dos irmãos, através dos seus olhos.

 O caminho do pecado II 

Veja que não é apenas o pecado sexual que é resultado daquilo que vemos. Existe um ditado que diz que somos tudo aquilo que comemos. Eu digo que somos tudo aquilo que vemos. Se vivemos vendo violência, nossa vida estará cheia de violência. Se vivemos vendo inveja, orgulho e porfias, então nossa vida estará repleta destas coisas. O exemplo do pecado sexual é interessante, porque é alguma coisa que podemos verificar com maior facilidade. O mundo excreta sexo constantemente na nossa mente, mas isso é só a ponta do iceberg. O mundo também excreta outras sujidades como a soberba, a idolatria, a malícia e a avareza. Estas coisas não são tão fáceis de perceber, mas são tão perigosas quanto os pecados sexuais. Não devemos olhar para estas coisas.

Porque será que eu sou tão crítico das denominações? O problema é que as denominações estão cheias de todas estas sujeiras. Quando olhamos estas coisas o que será que iremos reproduzir? Claro que também será o pecado. A palavra é clara: "[...] as más companhias corrompem os bons costumes" 1 Coríntios 15:33. Se estamos em meio aos pecadores, veremos pecado, seremos tentados por ele e, provavelmente, iremos também seguir o caminho do pecado. A Igreja precisa viver em um ambiente de santidade como assim foi designado desde o princípio pelos apóstolos do Cordeiro. Devemos amar os pecadores, mas também devemos odiar até mesmo a roupa contaminada pelo pecado.

 A ambição do mundo 

"Contudo, muitos dentre as próprias autoridades creram nele, mas, por causa dos fariseus, não o confessavam, para não serem expulsos da sinagoga; porque amaram mais a glória dos homens do que a glória de Deus" João 12:42-43.

Outro aspecto que também tem muito a ver com a concupiscência dos olhos é a nossa ambição. Somos ambiciosos por natureza e a forma como ambicionamos é através dos nossos olhos. Seja o que for, quando olhamos alguma coisa com ambição, logo nos entregamos às nossas concupiscências.

A ambição maculou o cristianismo da nossa era. É triste ver que os serviços nas denominações são ambicionados por todos os motivos, menos para servir sinceramente a Deus. E o pior é que continuamos dizendo: é normal. Ambição como essa não é normal, mas procede da nossa concupiscência e está avessa ao evangelho de Cristo. O evangelho nos ensina a buscar a morte da nossa vontade, nos igualando a Jesus até a morte para que de alguma maneira sejamos também igualados a ele em sua ressurreição. Se devemos ambicionar alguma coisa é a cruz, a vontade de Deus sobre a nossa vida.

Essas situações não são novas. Veja o exemplo de Ló, que escolheu as planícies de Sodoma e Gomorra. Ele levantou os olhos e viu o que havia de mais agradável, bonito e vigoroso. Viu as belas planícies de Sodoma como eram bem regadas e cheias de vida. Seu julgamento tomou base na sua visão carnal e por isso nós sabemos o resultado da sua escolha.

Assim também acontece conosco. Quando escolhemos baseado na nossa ambição mundana, naquilo que vemos, não pode existir outro destino senão Sodoma e Gomorra, o lar dos pecadores e lugar onde se pratica toda sorte de mal. A ambição é tão destruidora que é totalmente avessa à vontade de Deus, que deseja nos levar para os lugares montanhosos, conforme a história de Abraão. Ele foi residir nos carvalhais de Manre onde há firmeza e estabilidade longe do pecado de Sodoma. Ele mesmo não padeceu destruição, mas salvou do fogo Ló e sua família.

É claro que é impossível determinar qual é a intenção do coração das pessoas, mas é possível perceber o que se tornaram as nossas denominações. Veja que nas montanhas não haviam pecadores, mas apenas o justo Abraão. Por mais bonito e próspero que fosse, era nas planícies de Sodoma e Gomorra que havia pecado. Se compararmos este exemplo aos nossos dias você verá que não é difícil comparar nossas denominações com Sodoma e Gomorra. Ali existem pessoas justas, assim como havia Ló e sua família em Sodoma e Gomorra. Mas assim como era naquelas cidades, a maioria deles são pecadores de todas as espécies, assim como é hoje. Vivemos um tempo em que as denominações são agradáveis e não comentam muito sobre o nosso pecado. Não é ruim estar ali, mesmo sendo um pecador. As pessoas são bonitas, existe muito show, muita luz, muita pirotecnia. Existe prosperidade financeira e muitos campos verdes. Estes lugares atraem todo tipo de gente. Tanto pecadores quanto justos.

 Como vencer a sedução dos olhos? 

Vencer todas estas coisas que foram ditas neste estudo é a base para nos santificar e para vencer o amor deste mundo. Na verdade o princípio para vencer não é tão complicado. Vejamos:

 Olhar para Cristo x Olhar para o mundo 

O Senhor é maravilho! Todas as respostas de todas as nossas indagações estão na palavra. Ela é totalmente suficiente para nos santificar. Para vencer a concupiscência dos olhos nós devemos verificar um exemplo nas escrituras. Veja: "Na quarta vigília da noite, foi Jesus ter com eles, andando por sobre o mar. E os discípulos, ao verem-no andando sobre as águas, ficaram aterrados e exclamaram: É um fantasma! E, tomados de medo, gritaram. Mas Jesus imediatamente lhes disse: Tende bom ânimo! Sou eu. Não temais! Respondendo-lhe Pedro, disse: Se és tu, Senhor, manda-me ir ter contigo, por sobre as águas. E ele disse: Vem! E Pedro, descendo do barco, andou por sobre as águas e foi ter com Jesus" Mateus 14:25-29.

Este trecho da palavra nos ensina como vencer a concupiscência dos olhos. É bem simples. Veja que Pedro andou sobre as águas e para tal devemos nos atentar a dois princípios. Pedro se baseou na palavra de Jesus: "Vem!" e olhou para Ele. Pedro, por alguns instantes, não levou em consideração a força do vento e andou sobre as águas. O grande princípio que devemos verificar neste texto é que para vencer a concupiscência dos olhos nós devemos parar de olhar para o mundo e devemos olhar somente para Cristo. Se olhamos para Cristo não importam os ventos à nossa volta, pois nós andaremos sobre as águas. Foi um momento rápido e que não levamos muito em consideração, mas é um sinal importante que nos ensina a vencer o mundo.

Na bíblia quando a palavra trata sobre os mares normalmente ele está indicando o mundo, o domínio do diabo. É por isso que Jesus veio andando sobre as águas. Após um tempo de oração solitária Jesus estava cheio do poder do Espírito. Ele sempre foi santo e como sinal para nós cristãos, ele andou sobre o mar porque ele mesmo não tinha nada com este mundo e o mundo nunca teve nada nele. Este não é um milagre simples de Jesus, mas um sinal para a nossa própria vida! A única parte da nossa vida que deve tocar o mundo é a sola dos nossos pés. Quando andamos focando nosso olhar no Senhor, certamente venceremos o mundo.

 O pendor do Espírito 

"Porque os que se inclinam para a carne cogitam das coisas da carne; mas os que se inclinam para o Espírito, das coisas do Espírito. Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz" Romanos 8:5-6.

Você deve estar se perguntando como, na prática, podemos olhar para o Senhor. Romanos, capítulo 8, nos dá essa resposta. Neste trecho Paulo fala sobre o pendor do Espírito. Essa palavra pendor não está muita clara neste trecho. A palavra significa literalmente colocar a sua mente em algo, pender para algo. Então se nos inclinamos para a carne, ou se colocamos a nossa mente nas coisas da carne, então colheremos morte.

Este trecho da palavra me faz lembrar de algo que Salomão nos ensinou: "Os olhos do sábio estão na sua cabeça, mas o estulto anda em trevas" Eclesiastes 2:14. Então, conforme esta palavra de Salomão podemos dizer que colocar a mente em algo, parafraseando, é como colocar os olhos naquilo. Assim, o pendor do Espírito é colocar os nossos olhos (nossa mente) no Espírito. Devemos nos inclinar sempre para o Espírito. Olhar para Jesus é colocar os nossos olhos no Espírito. Ter comunhão com o Espírito e viver sempre em união com ele.

Se olharmos sempre para o Espírito então a nossa vida será luminosa, pois Deus nos encherá de vida e paz. Mas se colocamos os nossos olhos nas coisas da carne, então iremos colher apenas morte, que é resultado de uma vida de pecado.

 Se o teu olho te escandalizar, arranca-o 

"E, se o teu olho te escandalizar, arranca-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno" Mateus 18:9.

Viver uma vida desta forma certamente não é tarefa fácil. Para colocar os olhos no Espírito será necessário negar a nossa vontade e concupiscências. Se verificamos que os nossos olhos nos fazem pecar, então qual deve ser a nossa atitude? Muitas pessoas aceitam a situação achando que, por Deus ser misericordioso, ele entenderá. Ele, porém, nos diz para arrancar este olho e sem ele entrar no Reino.

É claro que esta parábola não é literal, apesar de que se fosse também faria sentido. Mas quando ele fala para arrancarmos o olho ele está dizendo para negarmos a vontade deste olho. Se o meu olho me faz pecar, então devo negar a vontade do meu olho para que eu não seja inteiramente lançado no inferno. 

Devemos vencer aquilo que nos leva ao pecado e o maior caminho para o nosso interior são os nossos olhos. É por isso que Jesus fala tanto sobre os olhos. O apóstolo João entendeu estas coisas. Precisamos arrancar os nossos olhos, se é que eles nos fazem pecar. Negar a nossa vida, as nossas concupiscências e a nossa vontade. Tomar sobre nós a vontade do Espírito e colocar nele a nossa mente. 

"Não porei coisa injusta diante dos meus olhos; aborreço o proceder dos que se desviam; nada disto se me pegará" Salmo 101:3.

Porém tudo isso deve vir de nós. Jesus faz muitas coisas em nós, mas a decisão de nos santificar parte de nós mesmos. Veja este salmo. O salmista decidiu não colocar nenhuma injustiça diante dos seus olhos. Certamente ele arrancou os seus olhos para não ver a injustiça e assim se encheu com a luz do Senhor. Este deve ser o nosso proceder. Arrancar da nossa vista a injustiça e nos encher com a justiça de Deus.


Não ameis o mundo - A concupiscência da carne
Não ameis o mundo - A soberba da vida

Comentários