Convém que ele cresça e que eu diminua (João 3:30)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Comentário #Significado #Características #Sermão #Pregação #Mensagem #Palavra #Meditação #Devocional #Catequese #Versículos #Bíblia #Evangelho #Evangélico #Evangélica #Cristão #Cristo #Jesus #Deus #João Batista #Testemunho #Jesus #Cristo #Noivo #Noiva #Reino de Deus # Reino Eterno #Reino #Convém que ele cresça #Holofotes #Religião #Fábula #Voz que clama #Cristo vive em mim

"Convém que ele cresça e que eu diminua" João 3:30.

Hoje vemos que o diabo está a semear uma infinidade de mentiras que estão nos enganando e impossibilitando de alcançar a grande Verdade de Deus para sua Igreja. Hoje nós falaremos das palavras de testemunho de João Batista sobre Jesus. Quem tem ouvidos, ouça!

 A Fábula 

O que é uma fábula? Uma fábula é uma história que se conta, que não possui base bíblica, mas que as pessoas falam como se fosse a revelação de Deus e baseiam suas vidas nestas mentiras. São muitas as fábulas que o diabo semeia na Igreja nestes dias. Uma delas é esta verdade que Deus precisa crescer e que eu preciso diminuir. Será que é isso mesmo que João está dizendo no texto de João capítulo 3?

Quando lemos os versículos anteriores percebemos que não é com essa intenção que João fala estas palavras. Veja: "E foram ter com João e lhe disseram: Mestre, aquele que estava contigo além do Jordão, do qual tens dado testemunho, está batizando, e todos lhe saem ao encontro. Respondeu João: O homem não pode receber coisa alguma se do céu não lhe for dada. Vós mesmos sois testemunhas de que vos disse: eu não sou o Cristo, mas fui enviado como seu precursor. O que tem a noiva é o noivo; o amigo do noivo que está presente e o ouve muito se regozija por causa da voz do noivo. Pois esta alegria já se cumpriu em mim. Convém que ele cresça e que eu diminua" João 3:26-29.

Veja que esta frase é a conclusão de um pensamento em que os discípulos de João Batista indagam sobre o crescimento da fama de Jesus entre os judeus e que ele também estava batizando e anunciando as palavras do Reino de Deus. A resposta de João é fantástica: convém que ele cresça e que eu diminua. Convém que Jesus se estabeleça como Rei e Noivo da Igreja. Convém que ele mesmo convide a Noiva, a Igreja, e não João Batista. Convém que ele cresça, que ele apareça e que diminua João.

 Convém que Ele cresça 

Quando enxergamos o que João Batista está dizendo percebemos como os nossos 'ministérios' estão cheios de nós mesmos. Como os homens estão ainda batizando e aparecendo! Mas convém que Ele cresça. Quem tem a noiva é o Noivo e não os homens. Nem João Batista, nem os homens que se julgam alguma coisa em nosso tempo, mas Cristo. A Noiva é do Noivo e não de outro. Deveria ser a nossa alegria maior desaparecer dos holofotes e das atenções dos homens para Cristo crescer e tomar toda terra. Deveríamos esquecer dos títulos ministeriais e aprender a ser servos de verdade. O servo nunca aparece e também não é louvado pelos homens, mas ele serve com humildade e reverência.

João fez a parte que lhe cabia como o precursor do Rei, mas ele mesmo não era o Messias. E ao chegar o Senhor ele se alegrou com a voz do Noivo. É por isso que dos nascidos de mulher não houve nenhum como João Batista, que nascido debaixo da lei viveu e viu o Reino eterno chegar e se materializar nas mãos do Noivo, Jesus Cristo.

 A realidade do Reino Eterno 

A realidade do Reino que Jesus anunciou não era para que nós diminuíssemos, mas para que através da cruz a nossa vida humana fosse morta e esquecida. Porque "[...] já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim" Gálatas 2:20. Não se trata de aumentar Cristo na sua vida, meu irmão. Trata-se de morrer para si mesmo e assim permitir que o Espírito Santo te guie em toda a Verdade. Jesus nunca nos pediu para diminuir o que ele disse foi: "Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me" Lucas 9:23. E para onde devemos seguir o Senhor, senão para a morte certa na cruz? A cruz é o caminho certo para todo aquele que nele crê, porque através da cruz nós morremos para nós mesmos a fim de vivermos para Deus.

 Conclusão 

Me entristece muito perceber como estamos enganados. Continuamos na libertinagem, regalando nas nossas festas de fraternidade. Somos todos ondas bravas do mar espumando cada qual a sua sujeira. Mas não era assim no início. E eu mesmo não consigo mais enquadrar nestas coisas. Eu já havia sido estragado por Deus para o mundo e agora me estraguei também para a hipocrisia dos homens. Mas existe uma realidade que é viva e que vai além de toda a morte e pecado que existe no meio das denominações. Um evangelho verdadeiro que anuncia as boas novas da salvação a todo aquele que crê. Os que não nasceram da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. Que negam sua vontade e que fazem guerra ao pecado.

A realidade do Reino, entretanto, é terrível para a nossa carne e é por isso que vivemos em meio a uma geração corrompida. É muito fácil falar coisas belas, mas ninguém deseja seguir os passos de Cristo até a morte de cruz. Em meio a esta geração nós devemos resplandecer como luzeiros. E o que os luzeiros fazem além de revelar as obras das trevas? É por isso que foi dito: "Pois nada está oculto, senão para ser manifesto; e nada se faz escondido, senão para ser revelado" Marcos 4:22. Assim, devemos ser como luzeiros e resplandecer nas trevas. E para resplandecer como luzeiros nós devemos morrer para a nossa vontade e permitir que a luz de Deus tome a nossa vida por completo. Não deve mais ser eu, mas Cristo vivendo integralmente em mim. Ele é tudo e deve ser o centro de todas as coisas nas nossas vidas. Porque foi Cristo que nos reconciliou com Deus. Foi Ele que nos deu a adoção de filhos. Foi Jesus quem venceu a morte. Foi ele, Jesus! Ele é tudo; eu sou nada. Se não vivemos assim, então certamente ainda não entendemos o Reino de Deus.

Comentários