Os inimigos da cruz de Cristo


"Pois muitos andam entre nós, dos quais, repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo" Filipenses 3:18.

O tema da nossa meditação de hoje são os inimigos da cruz de Cristo. À princípio pode parecer que eles são mundanos ou mesmo pessoas fora da comunhão dos irmãos, mas não é este o foco de Paulo. Fica claro no texto que estes tais são cristãos que "andam entre nós", sugerindo assim serem eles participantes da comunhão da Igreja em sua época. Apesar disso, eles não se atentavam a parte mais central do evangelho: a cruz. Nós que somos regenerados e justificados pelo sangue de Jesus, devemos seguir seus passos, segui-Lo e tomar a nossa cruz a cada dia.

Se nós somos cristãos e não fazemos assim, significa que estamos vivendo o evangelho em parte e não na sua plenitude. Os que assim fazem, tornam-se os inimigos da cruz de Cristo. Veja que Paulo não disse que estes são inimigos de Cristo, nem mesmo que eles o perseguem, mas diz que os tais são inimigos da cruz de Cristo. Ou seja, mesmo que eles estivessem participando da comunhão da Igreja eles negavam seguir os passos de Jesus até a cruz. Não negavam sua própria vida e viviam como os incrédulos nas suas paixões, idolatria, avareza ou qualquer coisa semelhante.

Infelizmente este tema é de fundamental importância em nossa época, visto que a religião e o engano fazem as pessoas acreditarem que o objetivo do evangelho é simplesmente encher as congregações, abençoar as pessoas financeiramente ou mesmo arrumar um marido ou esposa. Quem se preocupa com estas coisas são os incrédulos, porque o fim do evangelho é a salvação completa da nossa alma. Trata-se da plenitude da salvação de Deus, que se inicia com um arrependimento genuíno e se desenvolve à medida em que vivemos inteiramente para Deus, tomando diariamente a nossa cruz.

Nós sabemos, pelas palavras do nosso Senhor, que ninguém pode servir a dois senhores. Se nos declaramos cristãos, devemos seguir os passos do nosso Senhor até a cruz. Porque se vivemos para as coisas desta terra e não nos atentamos para as coisas do alto, logo não estamos desenvolvendo nossa salvação. Sempre que nos encontramos assim, podemos ser os inimigos da cruz, ainda que sejamos cristãos por toda nossa vida. E este é um terrível lugar para se estar, visto que não somos inteiros para Deus e nem inteiros para este mundo. Estes também podem ser identificados como os cristãos mornos de Laodiceia. O destino destes é a perdição e o caminho deles é contrário ao evangelho que provém da fé para a salvação (Hebreus 10:39).

Meus irmãos, que Deus nos livre de sermos inimigos da cruz! Isto que vos digo é de tremenda importância, visto que na maioria das congregações é pregado um evangelho inútil e que não pode salvar a nossa alma. Porém, as palavras que foram anteriormente ditas pelo nosso Senhor são de muito maior validade! Nelas nós devemos seguir, arraigados no firme alicerce para a nossa certa salvação, que há de se revelar no último dia. Rejeite, veementemente, todo evangelho que nega o centro da vontade de Deus para nós: a cruz de Cristo.

Que nós não pensemos nas coisas desta terra! Pois tudo que há o mundo há de perecer no grande Dia do Senhor. Tudo que é perecível há de sucumbir no fogo, mas o imperecível permanecerá eternamente. Se nós juntarmos tesouros nesta terra, naquele Dia sofreremos dano, mas se pela fé andarmos pensando nas coisas do alto, então seremos bem-aventurados e teremos parte na primeira ressurreição. Que Deus seja misericordioso para com a nossa geração. Povo morno, morto e vencido. Mas se pela fé, nós vivermos em nossa vida o evangelho para a salvação da nossa alma com temor e tremor perseverando até a volta do nosso Senhor, quão grande galardão nos espera! Vem Senhor Jesus! Julga a obra das nossas mãos e faz calar o inimigos das nossas almas. 

Postar um comentário

0 Comentários