Fim dos tempos: Os sinais do tempo do fim | Mateus 24:14


E será pregado este evangelho do Reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então virá o fim | Mateus 24:14

 Introdução 

Na primeira parte deste estudo, o Princípio das Dores, nós percebemos que muitas das coisas ditas por Jesus foram direcionadas primeiramente aos seus discípulos e que eles mesmos viveram o princípio das dores de parto da Igreja em sua era. Podemos perceber que muito tempo se passou, muitos irmãos perderam sua vida e muitos outros padeceram pelo conhecimento de Jesus. Estas dores de parto estiveram presentes durante toda a história da Igreja e culminaram em nossa era, que é a última era da Igreja sobre a terra. Neste estudo tentaremos esclarecer os sinais que serão vistos nesta última era da Igreja, o tempo em que nós vivemos hoje e que também revelará a chegada da Grande Tribulação. Os sete anos do governo do anticristo.

Se você é leitor deste blog, lembrará do estudo Tempos de Laodiceia, onde explicamos que nós mesmos vivemos a era da Igreja de Laodiceia. A última era das Igrejas, o que significa que nossa geração verá o cumprimento de todas as profecias sobre os tempos do fim.

Portanto, este texto irá tratar dos sinais que antecedem a Grande Tribulação. Assim como as escrituras tratam sobre os dias anteriores ao dilúvio, ela também revela alguns acontecimentos que terão destaque no período que vivemos, os dias anteriores à Grande Tribulação. Estes são os sinais que veremos em nossa era e por isso a importância de falar sobre estas coisas. Para nos alertar, exortar e animar a permanecer no caminho da santidade. "Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se" Apocalipse 22:11.

 As setenta semanas de Daniel 

Antes de falar especificamente sobre quais são os sinais que nos indicam a chegada do tempo do fim, temos primeiro que entender a profecia das setenta semanas de Daniel. Sem entender esta profecia fica difícil compreender a complexidade dos acontecimentos desta época. Vejamos:

"Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados, para expiar a iniquidade, para trazer a justiça eterna, para selar a visão e a profecia e para ungir o Santo dos Santos" Daniel 9:24.

O livro de Daniel nos mostra muitas revelações. Em uma delas Daniel teve uma visão em que o anjo Gabriel lhe foi enviado. Uma das revelações que o anjo Gabriel lhe trouxe foi a profecia das setenta semanas. Esta profecia diz que setenta semanas estariam determinadas para cumprir todas as coisas, conforme lemos no texto de Daniel 9. Isso significa que após estas setenta semanas tudo teria sido cumprido sobre a terra, incluindo o livro de Apocalipse.

Este período de setenta semanas é um período temporal, onde cada semana representa sete anos. O tempo da graça, a era dos santos, não entra nessa contagem. Houveram sessenta e nove semanas (ou 483 anos) desde a saída da ordem para reedificar Jerusalém até Jesus Cristo (Daniel 9:25). Quando veio Jesus, esta contagem foi pausada para que o mundo se preparasse para a última semana da contagem. A última semana que falta (os sete anos) será o período da Grande Tribulação.

 O sinal de Noé 

"Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem" Mateus 24:37-39.

O primeiro sinal que mencionarei neste texto é o sinal de Noé. Jesus disse que "assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem". É muito interessante pensar neste exemplo que Jesus nos deu para considerar este sinal e compará-lo a realidade do nosso tempo.

 A degradação do homem 

"Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento [...]" Mateus 24:37.

Quando Jesus cita estas coisas ele parece dizer que as pessoas, no tempo de Noé, estavam despreocupadas com as coisas de Deus e que elas apenas buscavam o que era mau. "Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração" Gênesis 6:5. Na antiguidade apenas Noé achou graça diante de Deus e todo o resto da humanidade sucumbiu nas águas do dilúvio. Este texto também mostra que eles nem perceberam o que estava acontecendo naqueles dias. Eles viviam as suas vidas sem preocupações até que veio o dilúvio e levou todos.

Este exemplo é muito vivo hoje em dia. Por um lado cada um de nós vive sua vida, preocupados apenas com nosso sustento, considerando que Jesus tarda a voltar. Ainda, a maioria esmagadora dos crentes da nossa era não faz ideia de que Jesus está às portas. E mesmo aqueles que têm alguma consciência nada fazem em relação a essas coisas. Veja que Noé edificou esta arca, pois ele seria salvo por ela. De igual modo, se não edificarmos a arca em nosso tempo como poderemos ser salvos?

Hoje as nossas preocupações são comprar uma casa ou um carro, ou mesmo nos casar e ter uma família. Mesmo as denominações vivem uma triste disputa para alcançar mais e mais membros. Temos nos esquecido da vida eterna e do objetivo maior do cristão, que é refletir a glória de Deus nesta terra. Com motivações corruptas, nos aproximamos muito da realidade do tempo de Noé. A maldade tem se multiplicado e a maior parte dos homens se entregou à devassidão para cometerem todo tipo de pecado. Muito provavelmente nós somos a geração que viverá o primeiro arrebatamento da Igreja. Infelizmente, como a maioria de nós se preocupa com tudo menos com compreender o tempo em que vivemos, não conseguimos enxergar a urgência deste sinal, que é tão claro!

O versículo de Lucas resume bem o que eu estou dizendo: "Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as consequências da orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo, e para que aquele dia não venha sobre vós repentinamente, como um laço" Lucas 21:34. Devemos caminhar com sabedoria, usando deste mundo com se dele não fôssemos, como de fato não somos, aguardando sempre o nosso Senhor Jesus, que não tarda.

 A degradação dos casamentos 

Quando lemos o texto do capítulo 6 de Gênesis percebemos que houve um acontecimento, em especial, que levou o Senhor a considerar destruir toda carne que estava sobre a terra. Vejamos: "Como se foram multiplicando os homens na terra, e lhes nasceram filhas, vendo os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, tomaram para si mulheres, as que, entre todas, mais lhes agradaram" Gênesis 6:1-2. Deus não se agradou da união dos filhos de Deus com as filhas dos filhos dos homens. Este é o único sinal descrito neste capítulo em que Deus demonstra o motivo da sua insatisfação com a raça humana, além da sua degradação de forma genérica. Também não precisamos decifrar o que significam estes filhos de Deus do texto, mas devemos entender o sinal. E o sinal aqui é o casamento.

No tempo de Noé, as uniões de casamento foram defraudadas conforme lemos nesse texto. Fica claro no texto que a união entre os filhos de Deus e as filhas dos homens era uma união que não deveria ter acontecido. Ou seja, a união santa do casamento foi maculada. O homem se esqueceu de um dos primeiros mandamentos de Deus, que diz: "[...] por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" Gênesis 2:24. Este era o mandamento e, independente se os filhos de Deus são anjos ou não, vemos que esta união não era natural. Este foi o maior sinal da degradação do gênero humano nos dias de Noé.

Assim como nos dias de Noé, fica muito claro, conforme as palavras de Jesus, que a geração que verá a sua volta oculta é a geração que presenciar a degradação do casamento. E se analisarmos as denominações atuais veremos que já é comum aceitar o segundo, o terceiro ou mesmo o quarto casamento. Mas o mandamento de Deus é claro e não mudou desde o princípio do mundo, ou seja, aquele que se une à sua mulher torna-se com ela uma só carne. Não é possível separar um mesmo corpo, assim como é impossível separar Cristo e a Igreja. Veja que Moisés deu carta de divórcio, mas Deus é maior que Moisés que permitiu estas coisas. E fundamentados na nossa concupiscência prevaricamos o sentido do casamento em nossos dias e nos entregamos aos prazeres. Este também é um sinal dos últimos dias.

 A firme aliança por uma semana 

"Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele" Daniel 9:27.

Além do sinal de Noé existem outros sinais na palavra de Deus. O primeiro, e talvez o mais importante que eu tenha percebido nos meus estudos seja a aliança de uma semana. E isso porque, para que todo o resto seja cumprido, é necessário que haja este acordo. Imagine você, dez poderosas nações do mundo se unem em um grande acordo de sete anos. Acredito que este será um acontecimento que será amplamente coberto pela mídia. Será um sinal geopolítico, portanto público e notório. Sou estudante da política internacional e meus estudos tiveram grande influência do livro de Daniel que mostra como o arranjo divino tem relação com o governo no qual a humanidade está submetida. Lembra da oração de Jesus? "Venha a nós o vosso reino" é o que diz um trecho. Isso implica que Deus deseja remover todo governo humano sobre a terra e estabelecer um reino onde Jesus será o Rei eternamente.

 Paz e segurança 

"Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão" 1 Tessalonicenses 5:3.

Este acordo entre as nações deverá gerar um período de paz. E é isso que trata este texto de Paulo, que diz aos Tessalonicenses que haverá um tempo de paz antes da consumação de todas as coisas. Nos evangelhos sempre vemos falar das guerras, mas não é citado nenhum período de paz. E porque seria isso? Acontece que existem algumas dúvidas sobre a grande tribulação. Por isso a necessidade de entendermos a profecia das setenta semanas. Nela compreendemos que haverá um período de sete anos em que todas as coisas serão cumpridas, inclusive esta paz mencionada por Paulo. Alguns estudiosos consideram a grande tribulação como sendo somente o período em que as trombetas serão tocadas. Outros consideram que a grande tribulação representa a totalidade dos sete anos descritos na profecia das setenta semanas.

Neste estudo nós iremos considerar a grande tribulação como sendo o período a partir das trombetas e isto tem dois motivos. O primeiro é que assim seguiremos a linha dos evangelhos. O segundo porque mesmo na instrução de Paulo aos Tessalonicenses ele menciona, mesmo que em parábola, esta diferença. Ele menciona as dores de parto. Esta menção refere-se ao fato de que tudo isso acontecerá somente após o arrebatamento do filho varão, conforme vemos em Apocalipse 12. Esta menção também se refere ao sexto selo, em Apocalipse 6. E logo depois, no sétimo selo, se iniciam as trombetas. Veja como tudo se encaixa. Eu sei que é complexo, mas caso não entenda. Leia novamente com calma, leia também novamente os capítulos 6 e 12 de apocalipse e compare os textos. A compreensão destas coisas é importante para enxergar o todo.

Voltando mais para o sinal em si, ele confirma que pode haver uma aliança política que resulte em um período de paz que se estenderá, provavelmente, ao Oriente Médio, a Israel e a Jerusalém. Israel, desde a sua criação após a segunda guerra mundial, sempre enfrentou conflitos com os países vizinhos. Principalmente com a Palestina, que não aceita seu estabelecimento e ainda reclama os territórios de Israel. Todos estes conflitos culminaram na situação política instável que Israel vive hoje. Vemos, por exemplo, a situação da Faixa de Gaza, as colinas de Golã ou os assentamentos israelenses em territórios palestinos. A maioria dos países do Oriente Médio gostaria de ver Israel destruída e isso é refletido na quantidade de atentados que ocorrem cotidianamente na região.

Esta situação política indica que Israel não vive em paz. É por isso que a paz de Israel é um sinal importante. Quando houver paz entre Israel e seus vizinhos e na cidade de Jerusalém, então saberemos que estamos vivendo os últimos dias. O capítulo 9 de Daniel também nos revela algo semelhante: "Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele" Daniel 9:27. Veja que aqui Daniel nos revela que até a metade da semana, aparentemente estará tudo bem. Ele não menciona nenhum acontecimento até que o homem da iniquidade faça cessar o sacrifício diário no templo e assim as assolações serão derramadas sobre o assolador.

Muito provavelmente esta paz será estabelecida e proporcionará o ambiente para a reconstrução do terceiro templo. De acordo com este versículo de Daniel, também é certo que este período de sete anos será marcado pela assinatura de alguma acordo ou tratado internacional entre muitos países e mediado pelo anticristo. Dentre eles Israel e Palestina principalmente, mas é provável que se estenda ao Oriente Médio e à Europa. Também é certo que esta paz será estabelecida nos primeiros três anos e meio, como vimos acima, mas pode ser que esta paz se espalhe na região antes disso.

Não podemos nos enganar considerando que o tempo do fim irá chegar com suas atrocidades. O discurso será de unificação mundial, paz e segurança, aceitação, da luta contra a intolerância racial e de orientação sexual. Tudo isso já é tendência, principalmente na Europa e nas grandes metrópoles do mundo. Muito provavelmente neste mesmo período haverá a unificação das religiões, que é outro tema de grande relevância e que vêm crescendo no interesse de grandes figuras como Bono Vox e até, mais recentemente, o Papa Francisco. Ele, aliás, é um dos líderes religiosos mais respeitados em todo o mundo e por todos os credos, se interessa por política e pela união das religiões. Ou seja, estamos caminhando para o ápice do pensamento, da convivência e do direito humano em relação às liberdades individuais. O mundo buscará a paz e estará no ápice da inteligência humana, mas quando esta paz finalmente chegar, então saberemos que caminhamos para a tribulação.

 O terceiro templo 

Um sinal prático e que nos indica o tempo que vivemos, é o terceiro templo em Jerusalém. Desde os anos 70 existem planos para construção do terceiro templo em Jerusalém. Segundo a profecia de Jesus nos evangelhos o templo é necessário, pois haverá um acontecimento durante os sete anos, o abominável da desolação, que falaremos em seguida. Este acontecimento se passa no templo. Este será o terceiro templo construído em Jerusalém.

Também sabemos que para que este templo seja construído é necessário que exista paz no Oriente Médio e em Jerusalém, como vimos no sinal do tópico anterior. Não sabemos o momento da sua reconstrução, mas sabemos que ele poderá ser reerguido em um período de 6 meses. Sua construção pode acontecer já durante os sete anos. Por isso quanto mais nos aproximamos da sua construção, mais nos aproximamos dos últimos dias.

O segundo templo foi destruído no ano 70 d.C. e não foi reconstruído desde então. Em seu lugar foi construído uma mesquita islâmica. Esta mesquita é conhecida pelo nome de Domo da Rocha e é um dos lugares sagrados do islã. Este sinal é muito significativo e merece nossa observação por se tratar de um tema central para os judeus, que ainda acreditam que o messias não veio em carne, e também por ser este um sinal tangível. Certamente todo o mundo saberá quando se iniciar a construção do terceiro templo em Jerusalém.

Entretanto, ainda existe muita dificuldade política em torno do monte do templo. Os judeus estão muito confiantes quanto à reconstrução do templo, mas os islâmicos não abrem mão do monte, por ser também um lugar sagrado para o islã. Veja aqui a necessidade de haver também um acordo religioso para que tudo isso seja solucionado, conforme mencionei no tópico anterior.

O movimento que iniciou, nos anos 70, todos os preparativos para a reconstrução do templo em Jerusalém é o movimento sionista Instituto do Templo (Temple Institute). Eles já possuem todos os utensílios descritos na Torá (inclusive as vestimentas que os sacerdotes irão usar, o candelabro de ouro maciço e também dizem saber onde está a arca da aliança) e aguardavam apenas a chegada do novilho vermelho, que também já foi encontrado. Em Números 19:2, o Senhor dá instrução aos israelitas quanto ao sacrifício de uma novilha ruiva perfeita, que seria estatuto perpétuo aos filhos de Israel. Imagine a dificuldade de se achar uma novilha ruiva sem manchas para este sacrifício? O site do Instituto do Templo menciona que apenas nove novilhos foram encontrados durante todo o período do primeiro e do segundo templo, que foram vários séculos. Sim, eles já possuem tudo para iniciar a reconstrução do Templo. Isso significa que estamos muito próximos de todas estas coisas.

 O abominável da desolação 

"Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares" Daniel 9:27.

A abominação da desolação é um dos acontecimentos mais marcantes que se passarão durante os sete anos. Conforme lemos em Daniel, isso acontecerá na metade da semana. Este versículo também nos mostra que este homem fará firme aliança com muitos por sete anos. Como vimos, esta aliança representará a paz entre Israel e seus vizinhos e provavelmente será firmada por alguma figura política proveniente da Europa, do outrora território do império romano. Isto porque este império que terá poder no tempo da tribulação é o resquício deste antigo império romano. Para saber mais sobre este tema, leia também O Iminente arrebatamento do Filho Varão.

Mas o que viria a ser o abominável da desolação? O abominável da desolação é a menção do que fez o governador selêucida Antíoco Epifânio. Ele preparou um altar para zeus sobre o altar dos holocaustos, no templo de Jerusalém, e também sacrificou um porco neste altar (que é um animal impuro para os judeus). Este acontecimento ocorreu em 167 a.C., ou seja, quando Jesus cita que isso aconteceria novamente, ele estava profetizando que algo parecido aconteceria no futuro (Mateus 24:15).

Entretanto, tudo isso apenas acontecerá se existir um templo em Jerusalém. É por isso que devemos observar os acontecimentos em Israel e observar quanto à reconstrução deste templo. Quando a reconstrução estiver em andamento, poderemos ter a certeza de que não temos mais tempo. Já existirá um acordo de paz em Israel e provavelmente já estaremos vivendo os sete anos da profecia. Na verdade, saber que os preparativos para a reconstrução do templo já estão finalizados é igualmente urgente. O que falta hoje para que este templo seja construído é uma mera questão política, que pode se desdobrar a qualquer momento. Ou seja, o acordo de paz entre Israel e seus vizinhos pode acontecer a qualquer momento e com ele se inicia a grande tribulação. Se atente, meu irmão! Estamos às portas!

 Jerusalém sitiada 

"Quando, porém, virdes Jerusalém sitiada de exércitos, sabei que está próxima a sua devastação" Lucas 21:20.

O texto de Lucas nos apresenta uma visão diferenciada deste tempo. Lucas não cita o abominável da desolação. Em seu lugar, ele indica que Israel estará sitiada de exércitos. Se nos permitirmos pensar um pouco sobre esses dois acontecimentos, podemos imaginar que os invasores de Jerusalém serão os tais que profanarão o templo. Foi o que aconteceu no tempo de Antíoco Epifânio e de Judas Macabeu (esta história pode ser lida no livro dos Macabeus, nas bíblias católicas). Antíoco invadiu Jerusalém, passou a dizimar os Judeus e introduziu também o abominável da desolação, sacrificando animais impuros no altar do templo.

Seguindo a linha de raciocínio do texto sobre o Princípio das Dores, poderíamos imaginar que aqui Jesus está citando o tempo dos apóstolos. O que não estaria historicamente incorreto, visto que Jerusalém realmente foi destruída no tempo deles, no ano 70 dC. Porém existe um versículo que faz toda a diferença nesta parte de Lucas 21: "Porque estes dias são de vingança, para se cumprir tudo o que está escrito" Lucas 21:22. Os dias de cumprimento de todas as coisas são os sete anos da profecia de Daniel e não o tempo dos apóstolos. Outro aspecto é que Jesus cita que este é um tempo em que "haverá grande aflição na terra". Este período só pode se tratar da grande tribulação, que como vimos se desenrola-rá depois do período de paz. Assim, quando Jesus começa a falar que Jerusalém estará rodeada de exércitos, ele está se referindo ao tempo do fim.

Especificamente haverá guerra contra Jerusalém nos últimos três anos e meio, ou seja, no meio desta última semana, conforme vimos na profecia das setenta semanas de Daniel. Isso é importante perceber devido ao período de paz, que foi citado acima. Tudo isso confirma o que foi dito acerca deste tempo, mesmo no texto que menciona o período de paz: "Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição" 1 Tessalonicenses 5:3.

 Resumo 

Devemos entender que o abominável da desolação apenas acontecerá, caso exista um templo em Jerusalém e o templo só existirá se houver paz e o acordo de sete anos conforme descrito em Daniel. Igualmente Jerusalém apenas será sitiada se houver antes um período de paz. Tanto o abominável da desolação quanto esta situação em Jerusalém apenas acontecerá em algum momento dos sete anos.

De forma resumida, como certamente ainda não vivemos os sete anos, devemos ficar atentos a todos estes sinais, mas ainda mais intensamente aos sinais de Noé, na reconstrução do templo em Jerusalém, no grande acordo político de sete anos e na paz que precederá a destruição dos últimos três anos e meio. Fique atento a situação de Israel, meu irmão! Israel é o grande relógio de Deus que nos indicará a chegada da tribulação.

 Conclusão 

Este texto é a chave que o crente precisa para entender o tempo em que vive e se alertar sobre todas as coisas que estão acontecendo à sua volta. A maioria dos cristãos não se dá conta destas coisas e vive a sua vida desregradamente em muitos prazeres. Não é bom que seja assim! Vivemos o limiar da história na terra!

Tenho por mim que esta geração verá, muito em breve, a vinda oculta de Jesus. Aos irmãos que lerem este texto eu dou uma sugestão: arrependa-se enquanto há tempo! Volte-se ao Senhor enquanto podemos encontrá-lo! Busque-o enquanto está perto! O Senhor é bondoso e perdoa os nossos pecados. Volte-se a Ele enquanto pode!

A Igreja está morta em doutrinas e festas e não consegue perceber o grande perigo que está por vir! É uma lástima que a maioria dos pastores nem mesmo cita estas coisas em seus cultos! Este tema deveria ser o foco central da nossa discussão, visto que vivemos exatamente estes dias!

Mas todos nós, de acordo com a nossa justiça, seremos julgados pelos nossos atos e "os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente" Daniel 12:3. Os insensatos e faltos de juízo serão salvos, todavia como que pelo fogo, e sofrerão o dano da sua corrupção.

"Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as consequências da orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo, e para que aquele dia não venha sobre vós repentinamente, como um laço" Lucas 21:34. 

"Vigiai, pois, a todo tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que têm de suceder e estar em pé na presença do Filho do Homem" Lucas 21:36.

Postar um comentário

4 Comentários

  1. A vinda de Jesus não será oculta, todo olho o verá. Gostei do estudo anterior, esse dessa página está bem confuso. Pediria que o revissem. Grata!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rose, boa tarde! Obrigado por pontuar. Havia algum tempo que não fazia essa revisão. Fiz algumas adições e correções no texto e tentei também melhorar a compreensão temporal, que se confunde em alguns momentos. O tema, entretanto, é um pouco complexo o que dificulta também a explicação. Veja se a compreensão ficou melhor. Obrigado!

      Excluir
  2. Bom dia! Gostei do assunto, mas acho que seria melhor dividir alguns assuntos, por exemplo, fundamentar mais o assunto das 70 semanas, qual verso bíblico me faz compreender a pausa que Jesus causou na contagem para a última semana?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Jackson! Obrigado por pontuar estas coisas. Sobre o tema das setenta semanas, a ideia era apenas introduzir este tema para servir de sustentação para o restante do texto. Por isso foi tão resumido. A ideia principal é a compreensão de que falta ainda uma semana nesta profecia e que esta semana é a grande tribulação.

      Estas coisas podem ser verificadas na história e na contagem dos anos. Veja abaixo a explicação:

      Se: 1260 dias = 42 meses = "um tempo, tempos e metade de um tempo" = "metade da semana" então.
      1 semana de anos = 7 anos
      70 semanas de anos = 490 dias proféticos = 490 anos literais
      Fazendo um cálculo análogo ao anterior a frase "desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Ungido, e o Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas;", mostra que passariam num total de 483 anos:

      62 semanas + 7 semanas = 69 semanas
      69 semanas de anos = 483 dias proféticos = 483 anos literais

      Se você calcular historicamente a data da ordem para reedificar Jerusalém até Cristo, eles somam 483 anos. Ou seja, de Daniel até Jesus houveram 69 semanas proféticas ou 483.

      Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Ungido, ao Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as praças e as circunvalações se reedificarão, mas em tempos angustiosos.

      Daniel 9:25


      Porém falta ainda uma semana na contagem. Esta última semana pode ser verificada também em Daniel:

      Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele.

      Daniel 9:27

      Todas estas coisas podem ser verificadas também em Apocalipse, onde encontramos ricamente sobre a última semana, explicando acontecimentos exatamente dessa semana. Daniel trouxe a revelação da profecia completa e João trouxe a revelação da última semana. Se Deus permitir ainda postarei uma explicação completa. Que Deus nos revele todas as coisas!

      Excluir

Deixe um comentário! Queremos saber o que você achou do texto.