Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração (Colossenses 3:15)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Comentário #Significado #Características #Sermão #Pregação #Mensagem #Palavra #Meditação #Devocional #Catequese #Versículos #Bíblia #Evangelho #Evangélico #Evangélica #Cristão #Cristo #Jesus #Deus #Paz #Reconciliação #Corpo #Igreja #Unidos

"Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração, à qual, também, fostes chamados em um só corpo" Colossenses 3:15.

 A Fábula 

Mais um vez eu me coloco a escrever sobre textos que são mal interpretados. Reconheço que não é maldade de quem o faz, porém estas mentiras vão sendo perpetuadas e acabam se tornando uma rede para nos prender. São tantas as mentiras que acabamos nos tornando reféns do diabo. Mas não deveria ser assim. Renove a sua mente! Desconstrua as ideias enganosas para ganhar a sabedoria eterna do Senhor. Dele é o conhecimento e a sabedoria.

E o que seria uma fábula? A fábula é uma história que se conta, que não possui base bíblica, mas que as pessoas falam como se fosse a revelação de Deus e baseiam suas vidas nestas mentiras. Hoje falaremos sobre a paz de Cristo sendo nosso árbitro. O conhecimento popular cristão nos diz que esta paz é um sentimento que temos no nosso coração e que nos indica se tomamos esta ou aquele direção. Isto é uma grande mentira! Infelizmente, uma mentira muito bem orquestrada e que engana a maioria. Se vivemos assim andamos no engano e provavelmente quem te guia é a sua carne e suas emoções. A bíblia em nenhuma momento baseia esta palavra de Colossenses como um sentimento. Temos essa ideia equivocadamente, pois o nosso entendimento está deteriorado pelo pecado.

 A Paz de Cristo 

Mas o que, então, seria a Paz de Cristo? Os que já acompanham os estudos e meditações do blog devem se lembrar do nosso estudo sobre a Armadura de Deus. Um dos seus itens são as sandálias, conforme lemos em Efésios: “Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz” Efésios 6:15. A paz a que Paulo se refere aqui é exatamente este evangelho da Paz que falamos na armadura de Deus. Não se trata de um sentimento, mas da obra redentora de Jesus na Cruz. Vejamos o que Efésios também nos diz: "Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade, aboliu, na sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse, em si mesmo, um novo homem, fazendo a paz, e reconciliasse ambos em um só corpo com Deus, por intermédio da cruz, destruindo por ela a inimizade" Efésios 2:14-16.

O capítulo 2 de Efésios nos explica em detalhes a obra redentora de Cristo na cruz. Jesus nos reconciliou com Deus. Tanto judeus quanto gentios. Em Cristo todos nós fomos feitos um só corpo para Deus. Não há mais distinção. É por isso que no versículo ele finaliza: "[...] à qual, também, fostes chamados em um só corpo". Fica claro que Paulo não está tratando sobre um sentimento, mas sobre a reconciliação, a obra de Cristo por todos os homens.

Leia também:

 Os Colossenses 

Tudo isso pode ser entendido se lemos e entendemos melhor a carta aos Colossenses de uma forma mais ampla. Nesta carta Paulo está tratando sobre algumas filosofias que haviam surgido no meio da Igreja. Isso fica claro no início do capítulo 3 quando fala sobre a necessidade do crente abrir mão dos rudimentos deste mundo e "pensar nas coisas de cima". Ele fala sobre Cristo ser essencialmente suficiente, e conclui seu pensamento dando vários conselhos sobre a plenitude da vida em Cristo.

Este versículo também deve ser entendido como uma instrução a comunhão entre os irmãos. A paz de Cristo deve nos guiar nestas coisas, pois somos todos membros uns dos outros. É este o tema central do que Paulo está dizendo aos Colossenses no capítulo 3, tanto que para entender melhor este versículo tudo que temos que fazer é ler os três versículos anteriores. Veja: "Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade. Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós; acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição" Colossenses 3:12-14.

 A justiça do homem, trapos de imundícia 


"Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?" Jeremias 17:9.

Existe uma diferença muito grande entre direcionamento de Deus e ter paz no coração. Essa paz na maioria das vezes é uma desculpa que usamos para cometer pecados. Seja sincero consigo mesmo e pregue a verdade na sua comunidade. Não existe tal paz. Se entendemos que o nosso coração é enganoso, como podemos confiar no seu julgamento? É interessante que buscamos ter paz nos momentos mais decisivos da nossa vida. Digamos que eu conheço uma irmã linda, mas que acabou de se converter. Eu oro a Deus colocando a ele o meu interesse e sinto paz em meu coração (é claro que sentirei paz, uma vez que a situação assim me direciona a paz e o meu coração não pode estar de outra forma, senão com paz). Porém, Deus não me responde. Se eu uso a paz do meu coração como árbitro o que estou fazendo? A resposta é: andando em rebeldia. Se esperamos de Deus uma resposta, devemos crer que ele irá responder. Não importa como. Veja que na maioria das vezes temos paz quando a situação nos é benéfica, mas nunca quando nós tomamos o dano. Isto não pode ser outra coisa, senão um engano muito grande.

Não podemos confiar em nossos sentimentos e nem naquilo que vemos, porque o nosso julgamento é carnal e naturalmente injusto e nem vislumbra a obra de Deus em nossas vidas. Porque “todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia” Isaías 64:6. A única justiça que deve governar o nosso ser é a justiça de Deus através da revelação da sua palavra. Se confiamos no nosso coração e na possível paz que ele possa sentir, certamente seremos enganados por ele! Confiar em uma paz interna é o mesmo que confiar que o meu julgamento carnal é bom e procedente de Deus, mas sabemos que não é e nem pode ser.

 Conclusão 

Irmãos, devemos deixar de lado as fábulas humanas! Não temos mais tempo de nos enganar e viver enganados em um evangelho mentiroso e mesquinho. Desconfie daquilo que você acredita. Infelizmente não podemos confiar naquilo que é pregado e ensinado, pois a maioria dos irmãos está enganada (ainda que não saiba). Nestes dias devemos ser como os irmãos da cidade de Bereia, que receberam a palavra com grande alegria, mas verificavam tudo que lhes era dito.

Comentários