O meu reino não é deste mundo (João 18:36)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Comentário #Significado #Sermão #Pregação #Mensagem #Palavra #Meditação #Devocional #Catequese #Versículos #Bíblia #Evangelho #Evangélico #Evangélica #Cristão #Cristo #Jesus #Deus #Pregação #Evangelho de João #Livro de João #Pátria celeste #Nova Jerusalém #Nova Terra #Novo Céu #Pátria Celestial #Reino #Política #Mundo #Mundanismo #Trevas

"Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui" João 18:36.

Umas das coisas que não entendemos em relação ao Reino de Deus é que este reino é eterno e celestial. Infelizmente estes conceitos não são facilmente compreendidos pela maioria dos cristãos e o resultado que vemos nas denominações é um punhado de cristãos terrenos que não fazem ideia do reino que supostamente servem.

Um dos projetos do diabo é fazer dos cristãos homens terrenos que não fazem a menor ideia do que se trata o Reino de Deus. A forma como ele faz isto é através das preocupações com as coisas desta terra. Se os nossos olhos estão voltados para as coisas deste mundo, como poderemos nos atentar para as coisas celestes? A maioria de nós vive como aqueles que nunca conheceram a verdade e acabam se perdendo em muitas questões que em nada produzam a edificação ou a glória de Deus.

Quando eu leio estas palavras de Jesus eu percebo que a Igreja no Brasil está totalmente afastada da vontade verdadeira do Senhor, que é revelada pelo Espírito Santo. Não é possível que uma Igreja tão cega viva preocupada com negócios, política ou qualquer coisa deste mundo. Quando vemos os cristãos se empenhando em coisas tão terrenas chegamos a conclusão que estas pessoas não conhecem o poder de Deus, não conhecem quem elas são e não fazem ideia do reino que servem. Eles não sabem o que estão fazendo, porque apenas reproduzem a atitude da maioria.

Veja o que Jesus disse sobre estas coisas no versículo de estudo de hoje. Se Jesus fosse desse mundo os discípulos não permitiriam que ele fosse entregue aos judeus. E porque Jesus foi entregue aos judeus? Porque ele não cogitava das coisas dos homens, mas da coisas de Deus. Jesus conhecia a vontade do Senhor Jeová a tal ponto que sabia que era necessário que ele fosse entregue aos judeus e morto e que ressuscitasse ao terceiro dia. É isso que nos torna cidadãos dalém de meros espectadores: conhecer a vontade de Deus.

Veja o que Jesus disse em outra passagem: "Então ele lhes disse: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus" Mateus 22:21. Nos preocupamos tanto com a corrupção do mundo que nos esquecemos da corrupção das nossas próprias almas. Nos esquecemos do nosso pecado e nos esquecemos de dar a Deus o que é de Deus. Se num mundo humano é necessário pagar nossos impostos, quanto mais devemos dar a Deus o que lhe é de direito! Se desejamos viver no Reino Eterno, então qual é o preço que deve ser pago? Como alcançaremos este reino se nem mesmo entendemos que reino é este? Como alcançaremos o reino se nem mesmo tiramos os olhos desta terra?

Todo reino deste mundo perecerá cedo ou tarde. Mas o nosso reino não é daqui. A pátria do cristão NÃO é o Brasil nem outra nação deste mundo. A pátria do cristão é um reino justo, eterno, que não se abala e que virá do alto da parte de Deus para todo aquele que crê. Mas a todos aqueles que fitam os seus olhos nesta terra o seu fim será em choro e pranto. E nem mesmo entenderão quando chegar a sua ruína. A estes eu digo que se arrependam no pó e na cinza. Volte-se a Deus, que é tardio em irar-se. Volte-se a ele enquanto há esperança.

É momento de esquecer desta terra. É momento de largar o velho pelo novo e o reino corruptível pelo incorruptível. Apenas o reino eterno é perfeito e justo. Nele não haverá nem injustiça, nem choro, nem dor. Neste reino haverá paz para todos os remidos, todos aqueles que foram inscritos no livro da vida. O Cordeiro será a nossa lâmpada e iluminará o nosso caminho. Este sim é um reino que deve ser alcançado.

Comentários