Para isto se manifestou o Filho de Deus (1 João 3:8)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Comentário #Significado #Sermão #Pregação #Mensagem #Palavra #Meditação #Devocional #Versículos #Bíblia #Evangélico #Evangélica #Cristão #Carta #Epístola #Primeira #João #Pecado #Santidade #Obras #Diabo #Liberdade #Perdão #Arrependimento

"Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo" 1 João 3:8.


O texto do capítulo 3 da primeira epístola de João é bastante profundo e fala muito aos nossos corações. O versículo oito em especial tem me chamado a atenção já há algum tempo e hoje decidi escrever sucintamente sobre ele

Quando lemos esse texto, percebemos que Jesus se manifestou para destruir as obras do diabo. Porém o contexto do capítulo em questão trata acerca do pecado e de sua prática. O que será que um tema possui em relação ao outro?

João afirma na primeira parte do versículo que "Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio", nos mostrando que aqueles que praticam o pecado procedem da influência maligna do diabo, que é quem peca desde o início. Mas na segunda parte do versículo ele afirma também que Jesus se manifestou para destruir as obras do diabo. Ao fazer essa afirmação, ele está tentando nos dizer que Jesus veio para que a minha vida não fosse mais baseada no pecado e na morte, que por sua vez são causados pelas obras do diabo na vida das pessoas. Jesus veio para libertar os cativos do domínio do diabo e, assim, permitir que eles vivam em santidade, pureza e liberdade. Uma vez que fomos libertos do domínio do diabo, podemos caminhar em novidade de vida.

É claro que Jesus venceu de uma vez por todas, porém sabemos que existem ainda muitos cristãos que, apesar de estarem no convívio das congregações, ainda estão sob o domínio do pecado. Nesses casos Deus pode levantar seus enviados para que o povo seja liberto do pecado e da morte. E considerando tal situação, percebemos que temos duas opções:

1) Se estamos ainda enfadados pelo pecado, então precisamos de libertação para vivermos em santidade. Isso acontecerá quando assumirmos a nossa condição para então nos arrepender genuinamente. Deus pode, nesse processo, levantar pessoas ou oportunidades para que eu seja liberto. Na maioria das vezes não temos força para nos livrar se estamos caminhando sós. Nesses casos a libertação da Igreja nos livrará de todo peso do pecado.

2) A outra possibilidade refere-se a uma condição em que já estamos livres do pecado. Se é esse o caso, devemos buscar a Deus por dons para que sejamos os agentes de libertação no meio de seu povo.

É claro que não é sempre que as pessoas precisam de libertação para que vivam uma vida plena de santidade em Deus. Entretanto fica claro que existe muita influência maligna do diabo na vida daqueles que vivem pecando; E, sendo assim, eles serão libertos pela Igreja.

Se vivemos em santidade e pureza em Cristo e nos arrependemos continuamente dos nossos pecados, o diabo não terá lugar em nossa vida. É por isso que Jesus disse que o príncipe do mundo não tinha nada nele, pois ele mesmo não tinha nenhum pecado. E é também assim que devemos viver. É claro que erraremos, mas devemos confessar nossos pecados para que o príncipe do mundo não tenha lugar em nossas vidas. A confissão dos pecados libera a nossa vida por completo, pois quem nos libertou é o Cordeiro Santo de Deus. Ele mesmo se manifestou para que os nossos pecados fossem apagados e esquecidos, para que a morte não mais reinasse sobre os filhos do seu povo e para que as obras do diabo fossem destruídas por completo. Sendo libertos por tamanha glória e graça, podemos agora nos achegar com confiança ao trono da graça a fim de obter a redenção de todos os nossos pecados, para que a nossa vida seja plena nele em santidade, pureza e liberdade.

Comentários