Todos pecaram e carecem da glória de Deus (Romanos 3:23)

#Comentário #Significado #Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Meditação #Devocional #Meditar #Pregação #Sermão #Romanos #Epístola #Carta #Igreja #Bíblia #Porque #Pecamos #Pecado #Graça #Pecadores #Homens #Reconciliação #Carecem #Destituídos estão


"[...] pois todos pecaram e carecem da glória de Deus" Romanos 3:23.


 Todos pecaram 

Algo que precisa ser apregoado em nossos dias é a verdade que está descrita neste versículo de Romanos. Todos sabemos que somos pecadores e que não somos perfeitos. Porém, por causa da auto-suficiência, da vaidade excessiva e da nossa cultura ocidental, a nossa geração se tornou cega e não consegue perceber que somos todos pecadores miseráveis e irreparáveis.

Para crescer em Deus devemos entender bem a nossa natureza pecaminosa, maligna e caída. Não há nada de bom em mim, isto é, na minha carne. Mesmo nós cristãos remidos e santificados pelo sangue poderoso de Cristo permanecemos como pecadores. A nossa natureza não se altera depois que conhecemos o Senhor. Não nos tornamos pessoas melhores, pois a nossa carne permanece pecaminosa. É por isso que Paulo nos incita a não dar lugar a carne. Paulo sabia dos perigos de vivermos uma vida na carne, entregues a nós mesmos.

Veja que a nossa situação não é nada agradável. Tamanha é a perdição humana que, quando analisamos o sentido original deste versículo, vemos que ele foi mal traduzido. Talvez propositalmente. O verdadeiro sentido dele é "Pois todos pecaram e não atingem a glória de Deus".

O ponto de divergência do texto é a palavra grega 'hustereo'. O real significado dela é não atingir, não alcançar, falhar ou ser falto de alguma coisa. Isso significa que, uma vez que todos os homens pecaram, todos eles estão aquém da glória do nosso Deus. Nenhum de nós merece tamanha glória e graça! E não importa o quão santo você seja; não importa o quão grande é a sua denominação ou o seu ministério, você também não merece e está aquém da glória de Deus. Todos pecamos: quer pequenos, quer grandes; malfeitores ou avarentos; maldizentes ou afeminados. Somos todos igualados debaixo do juízo terrível de um Deus misericordioso. Somos todos pecadores.

É por esse motivo que não importa muito o tamanho do seu pecado, você nada mais é do que um pecador. Isso não significa, entretanto, que o resultado do pecado seja igual. Cada atitude terá a consequência que lhe cabe. Com esse pensamento chegamos a uma conclusão bem interessante: não podemos julgar ninguém. Se julgamos o nosso próximo, mesmo aquele que é pego em pleno adultério, estamos tomando um posição que não nos cabe.

 A Misericórdia 

Quando tratamos entre nós, homens de pequena fé, a única coisa que nos cabe é a misericórdia. Não cabe a nós julgar o pecado dos meus irmãos. O julgar, conforme lemos no livro de Apocalipse, foi concedido a Deus conforme a sua vontade. Nós é quem seremos os julgados no grande Dia do Senhor: "Porque a ocasião de começar o juízo pela casa de Deus é chegada; ora, se primeiro vem por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus?" 1 Pedro 4:17.

A misericórdia, para nós que cremos no Senhor Jesus, não é uma escolha, mas uma necessidade. Se não formos misericordiosos, então sobre nós cairá a ira divina. Mas se somos misericordiosos, então alcançaremos também misericórdia da parte de Deus, conforme nos ensina Jesus em Mateus: "Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia" Mateus 5:7.

 Conclusão 

Se nem mesmo Jesus condenou quem quer seja, como nós, homens pecadores e falhos, podemos levantar o nosso dedo para apontar o pecado do meu próximo? Mas a piedade consiste em perceber que somos pecadores, piores que o mundo inteiro. Se percebemos a nossa própria falha então é fácil ter misericórdia do meu irmão. Mas se considero que sou melhor do que os outros, então não terei misericórdia. É por isso que devemos perceber quem somos: pecadores.

Comentários