Em que consiste o estado pecaminoso do homem?

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Significado #Bíblia #Escritura #Jesus #Deus #Evangelho #Sermão #Meditação #Palavra #Devocional #Princípios #Fundamento Cristão

O tema de hoje na sequência dos fundamentos cristãos é: Em que consiste o estado pecaminoso do homem? Nele falaremos sobre o estado pecaminoso em que a humanidade decaiu, em decorrência da transgressão de Adão.

Como visto no último texto dos fundamentos, a humanidade sucumbiu devido a transgressão de Adão. Fomos entregues a lei do pecado quando Adão transgrediu a regra imposta por Deus, conforme lemos: "Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos" Romanos 5:19.

Depois desse ato nos tornamos totalmente injustos diante de Deus, "como está escrito: Não há justo, nem um sequer" Romanos 3:10. Nós morremos espiritualmente, devido as nossas transgressões contra a vontade de Deus e estávamos mortos em delitos e pecados (Efésios 2:1). Após a queda não havia mais ninguém capaz de satisfazer a lei divina e fazer a boa escolha, pois já não tínhamos a capacidade de escolha pois estávamos enfraquecidos pela carne. E assim, fomos entregues a nós mesmos e a nossa natureza morta e pecaminosa.

Em decorrência disso procedem todos os "maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias" Mateus 15:19. Este é o resultado natural de uma vida de pecado. A queda fez em nós brotar todos os maus desígnios e a humanidade se afundou em imundícies. Desde a queda a maldade se multiplica e o homem se afasta mais e mais de Deus sem compreender o caminho que segue.

Tornamo-nos naturalmente aptos a realizar toda espécie de barbárie de que se possa imaginar. Nós nascemos no mal, desde os primeiros dias, conforme cita o salmista: "Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe" Salmo 51:5. A natureza humana foi inteiramente maculada pelo pecado e todos fomos concebidos em pecado e morte.

Comentários