Vinho novo em odres velhos (Marcos 2)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Significado #Sermão #Pregação #Bíblia #Meditação #Evangelho de Marcos #Devocional #Evangelho #Capítulo 2 #Marcos 2 #Marcos capítulo 2 #Livro de Marcos #Estudo de Marcos #Evangelho de Marcos #Vinho novo #Odres velhos #Pano novo #Veste velha #Odres

"Ninguém costura remendo de pano novo em veste velha; porque o remendo novo tira parte da veste velha, e fica maior a rotura. Ninguém põe vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho romperá os odres; e tanto se perde o vinho como os odres. Mas põe-se vinho novo em odres novos" Marcos 2:21:22.

Leitura: Marcos 2:21-22

Os versículos 21 e 22 de Marcos 2 trazem uma parábola que pode parecer complexa, mas é bem simples. Neste texto Jesus havia acabado de falar sobre o jejum e porque os seus discípulos não jejuavam, conforme vimos na ultima postagem do estudo de Marcos. Após explicar sobre o jejum ele relata essa parábola sobre as vestes e o vinho.

Nesta passagem vemos que Jesus cita dois exemplos: o exemplo do pano e o exemplo do vinho, mas ambos exemplos tratam da mesma explicação de Jesus.

No texto ele fala que não se põe remendo de pano novo em veste velha. O que ele está tentando ensinar trata ainda sobre o jejum, pois este texto é uma continuação do discurso acerca do jejum. A veste velha trata da situação do homem na velha aliança. No antigo testamento o homem não possuía o Espírito Santo habitando em sua vida, conforme vemos pela palavra do Senhor: "Então, disse o SENHOR: O meu Espírito não agirá para sempre no homem, pois este é carnal" Gênesis 6:3. A partir desse momento o Espírito visitava o homem pontualmente, mas não habitava nele. Isso também é válido para o odre velho do versículo seguinte.

Por fim, o que Jesus parece tentar dizer é que não adiantaria viver fazendo jejuns enquanto o Espírito Santo não habitasse permanentemente na vida do homem. Antes, era necessário que ele morresse e ressuscitasse para criar um novo homem que fosse apto a receber o Espírito Santo. Esse novo homem é retratado como o novo odre que recebe o vinho novo.

Comentários