Os sãos não precisam de médico (Marcos 2)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Significado #Sermão #Pregação #Bíblia #Meditação #Devocional #Evangelho #Capítulo 2 #Marcos 2 #Marcos capítulo 2 #Livro de Marcos #Estudo de Marcos #Evangelho de Marcos #Fé #Perdão #Perdão pela fé #Perdão de pecados #Pecadores #Médico dos médicos #Perdão #Pecado #Graça #Redenção

“Tendo Jesus ouvido isto, respondeu-lhes: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim pecadores” Marcos 2:17.

Leitura: Marcos 2:15-17

O tema de hoje do nosso estudo de Marcos é tão importante quanto a vida cristã propriamente dita. Essas poucas palavras de Jesus representam uma realidade que o diabo tenta, a todo custo, macular.

Há uma verdade, sobre todos os homens, que não foge à regra em momento algum, a saber: somos todos pecadores e miseráveis. O ser humano é de todo corrupto e pecador. A própria bondade humano é maligna e decaída da graça e da vontade de Deus. Ainda que sejamos cristãos convertidos há muitos anos não fugiremos desta realidade.

A verdade das escrituras nos mostra que, o que muda a nossa vida não é a minha própria força ou a minha vontade de mudança. Mas o Espírito habitando em mim realiza todas as coisas, pois Deus é tudo em todos (1 Coríntios 12:6).

Compreendido isso passamos a entender uma realidade ainda maior. Somos todos carentes e necessitados da glória de Deus e não há exceção. Quem são, então, os sãos citados no texto? Os sãos aqui eram os judeus, que por praticarem a Lei de Moisés, se julgavam sãos, justos e corretos. Veja que, na verdade, eles não eram nem justos, nem sãos e nem corretos diante de Deus. Mas a sua percepção, sobre eles mesmos, era que, por praticarem a Lei se julgavam sãos e não precisavam de médico.

Agora passemos a perceber como se constrói a realidade do nosso século e a cultura a que estamos inseridos. Veja que esse paradoxo não se alterou mesmo depois de dois mil anos. Há quem se considere justo por viver uma certa realidade de vida e por estar inserido em alguma realidade, por mais morta que ela seja. Estamos acostumados a viver em uma realidade decaída da graça de Deus, pois não conhecemos o Verdadeiro. Assim, continuamos a nos enganar e a viver uma vida de mentira, distantes de Deus. Essa é uma realidade triste, porém atual em nossas Igrejas e não há exceção.

Talvez você possa achar essa visão pessimista, mas ao observar os feitos dos irmãos na palavra de Deus, vemos que não é. Não estamos fazendo “maiores coisas que estas” (João 14:12), como Jesus profetizou sobre nós. Estamos inchando nossas Igrejas com pessoas que não são crentes e que não buscam o Senhor. Pessoas que não tem temor e que buscam as suas verdades de acordo com a sua própria concupiscência.

Mas qual é a saída? Jesus, por ser alguém educado, não obrigará ninguém a crer Nele. Se não vemos sua utilidade em nossa vida não teremos esse médico para nos curar. Assim, devemos reconhecer que somos pecadores até a morte; percebemos nossa maldade pessoal. Olhe para dentro de si mesmo e terá medo do que irá encontrar. Quando perceber sua maldade, se arrependa. O arrependimento é a única saída para homens pecadores. Humilhe-se na presença do Senhor, se derrame em Sua presença. Todo aquele que se humilhar, será exaltado, mas o que se exaltar será humilhado (Mateus 23:12).

Comentários