Arrependei-vos (Mateus 3)

#Evangelho de Mateus #Estudo #Explicação #Esboço #O que é #Significado #Comentário #Sermão #Pregação #Meditação #Bíblia #Evangelho #Devocional #Livro de Mateus #Estudo de Mateus #Arrependimento #Reino dos Céus #Mateus 3 #Evangelho de Mateus #Capítulo 3 #Conversão #Mudança de atitude #Como se converter #Mudar de vida

"Naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judeia e dizia: Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus" Mateus 3:1-2.

Começamos o capítulo 3 de Mateus falando sobre um tema importantíssimo: o arrependimento. Infelizmente pouco é falado sobre este tema tão importante nas igrejas atualmente. Os motivos podem ser vários: desconhecimento, falta de interesse, outros interesses, etc. A verdade é que este tipo de discurso não é comercial o suficiente para 'vender' nas igrejas. Ninguém sai pregando por aí: Arrependei-vos porque é chegado o Reino! E se fizesse estaria fadado a falar para salas vazias.

O mais interessante é que este é um dos discursos mais usados nas escrituras. O primeiro a pregar sobre o arrependimento foi João Batista. Ele começou a pregar no deserto da Judeia, próximo a capital Jerusalém. Outros como Pedro, João, Paulo e mesmo Jesus usaram destas palavras para alertar o povo em relação ao Reino de Deus, pois sem arrependimento não podemos adentrar na glória deste Reino.

 O Arrependimento 

O arrependimento é o inicio de toda caminhada com o Senhor. A palavra 'arrependimento' deriva do grego 'μετανοέω' (metanoeó) ou 'Metanoia'. O sentido desta palavra é o de uma mudança completa de mente e de vida, uma alteração completa do modo de pensar que gera frutos práticos na vida da pessoa.

É como se, ao me arrepender da minha vida pecaminosa, eu decidisse firmemente me santificar para o Senhor. Pode se tratar de uma experiência e revelação sobrenatural de Deus, mas o sentido aqui é totalmente mental ou racional, uma decisão.

 O Remorso 

Quando pensamos em arrependimento logo temos a ideia do remorso, mas este conceito social está incorreto. O arrependimento significa, culturalmente, um remorso em relação a algum ato que eu tenha feito. Isto não é arrependimento. Quando não estamos satisfeitos em relação as coisas que fizemos, estamos com remorso. O arrependimento é uma atitude de mudança completa de nossa mente, que causam mudanças práticas na minha vida.

Acontece muito de uma pessoa ter remorso de alguma coisa, se converter, mas logo se desviar. Essa pessoa, certamente, não se arrependeu genuinamente. Provavelmente ela apenas sentiu remorso. Depois do tempo em que se curou do remorso ela volta a sua vida comum de pecado. É por isso que devemos ser criteriosos com as pessoas nas igrejas. Irmãos maduros são aqueles que se arrependeram, e mesmo que venham a errar, estão focados em fazer a vontade de Deus acima de tudo.

 Conclusão 

Hoje vivemos a plenitude do Reino dos Céus aqui na terra. Entretanto, ainda hoje se faz necessária a pregação do arrependimento. Todos os outros homens de Deus na bíblia pregavam o arrependimento (Jesus, Pedro, João, Paulo, etc) e ainda assim nós hesitamos em pregar essa mensagem. Não digo que devemos ir às ruas e pregar ao ermo o arrependimento. Digo que devemos visitar nossas igrejas e comunidades e pregar o arrependimento. João Batista não pregou para os gentios, mas para os filhos de Abraão, o povo de Israel. Igualmente, nós devemos pregar o arrependimento para os filhos de Deus.

Se ainda vivemos uma vida dupla, precisamos nos arrepender no pó e na cinza, e colocar nossa vida no centro da vontade de Deus. Veja as palavras de Tiago, irmão de Jesus:

"Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. Purificai as mãos, pecadores; e vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração. Afligi-vos, lamentai e chorai. Converta-se o vosso riso em pranto, e a vossa alegria, em tristeza" Tiago 4:8-9.

Há muita festa, vento de doutrina e mentira nas igrejas. Precisamos de pessoas que se entregam a Deus com sinceridade e verdade. Que purificam suas mãos; que limpam o seu coração. Este é o arrependimento genuíno, aquele que causa uma mudança real e profunda, e não uma mudança temporal e superficial.

Comentários