A parábola do Joio (Mateus 13:24-30)

#Estudo #Esboço #Explicação #O que é #Comentário #Significado #Características #Sermão #Pregação #Mensagem #Palavra #Meditação #Devocional #Catequese #Versículos #Bíblia #Evangelho #Evangélico #Evangélica #Cristão #Cristo #Jesus #Deus #Joio #Parábola #Mateus 13 #Fim dos Tempos #Trono Branco #Religião #Fariseus #Arrependimento

"Outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um homem que semeou boa semente no seu campo; mas, enquanto os homens dormiam, veio o inimigo dele, semeou o joio no meio do trigo e retirou-se. E, quando a erva cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio. Então, vindo os servos do dono da casa, lhe disseram: Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde vem, pois, o joio? Ele, porém, lhes respondeu: Um inimigo fez isso. Mas os servos lhe perguntaram: Queres que vamos e arranquemos o joio? Não! Replicou ele, para que, ao separar o joio, não arranqueis também com ele o trigo. Deixai-os crescer juntos até à colheita, e, no tempo da colheita, direi aos ceifeiros: ajuntai primeiro o joio, atai-o em feixes para ser queimado; mas o trigo, recolhei-o no meu celeiro" Mateus 13:24-30.

 Introdução 

Por algum tempo eu relutei em escrever acerca da parábola do Joio, por não entender a profundidade do que Jesus estava querendo dizer. Há tempo para tudo e na palavra não é diferente. Temos que ser pacientes para viver e compreender todas as coisas em seu tempo. Dito isso entendo que hoje é tempo de falar acerca desta parábola maravilhosa, mas que é ao mesmo tempo tão séria e que nos alerta a viver a realidade do Reino de Deus.

A parábola em si não é de difícil compreensão. Jesus, no mesmo capítulo de Mateus, também descreve a explicação desta parábola. Temos aqui uma plantação e um ceifeiro, que é o próprio Senhor Jesus. Ele ceifa a boa semente que produz o trigo, que são os filhos do Reino. Porém veio depois o inimigo que semeou o joio, sendo que estes últimos são os filhos do maligno.

Ambos estão na mesma plantação, o que significa que estão sempre juntos. A verdade é que numa grande casa há tanto vasos honrosos como também há vasos para desonra. E este é o caso da parábola. Na comunidade cristã da nossa atualidade é fácil perceber esta realidade. Existe sempre trigo e joio e ambos estão sempre misturados.

 O Trigo e o Joio 

O ponto central desta parábola é entender a diferença entre o trigo e o joio. É interessante porque o joio é muito parecido com o trigo. Tão parecido que nem mesmo podemos julgar qual deles é trigo ou joio até ao tempo em que produzem frutos. Como apenas o trigo produz fruto, então percebemos a diferença deles pelos frutos que produzem. Quando maduro e cheio de fruto, o trigo se inclina e se curva. O joio, por sua vez, não produz fruto e nem tampouco se inclina. Ele se eleva entre o ramos de trigo e se sobressai.

É muito interessante este exemplo porque ele nos remete a uma realidade muito atuante no reino de Deus que o Senhor no ensinou: "[...] porque todo o que a si mesmo se exaltar será humilhado; mas o que a si mesmo se humilhar será exaltado" Lucas 18:14. Se somos trigo, então o nosso fruto nos levará ao arrependimento e a humilhação, enquanto se somos joio nada mais faremos além de nos exaltar e nos engrandecer no meio dos homens. Esta é uma excelente forma de analisar a nossa própria vida e caminhada com Deus e até mesmo das pessoas à nossa volta.

 O Joio e a Religião 

"Vendo ele, porém, que muitos fariseus e saduceus vinham ao batismo, disse-lhes: Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento" Mateus 3:7-8.

O exemplo do joio e do trigo é muito, muito interessante e nos revela coisas profundas sobre o reino de Deus. No texto de Mateus no capítulo 3, João Batista chama os fariseus e saduceus de raça de víboras. Eu nunca havia entendido porque ele fez isso ou com qual autoridade ele poderia dizer estas coisas, até agora. Veja que logo após chamá-los de raça de víboras João diz: "Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento". Em outras palavras João Batista estava dizendo que estes religiosos nada mais eram do que joio semeado pelo inimigo e para serem salvos eles precisavam produzir estes tais frutos que só mesmo o trigo pode produzir, frutos de arrependimento.

Portanto João tinha sim autoridade para dizer estas coisas sobre os religiosos, pois eles mesmos não produziam frutos de arrependimento para se humilharem diante do Senhor. Pelo contrário, o fruto que eles produziam era sua exaltação sobre os homens com a desculpa de servirem a Deus.

Isso tudo se parece com alguma coisa que vivemos atualmente? Certamente! Hoje os homens se exaltam com a desculpa de servirem a Deus. Tenha certeza de que eles nada mais são do que joio semeado pelo inimigo e certamente uma raça de víboras destinada apenas a excretar o seu veneno asqueroso nos irmãos.

Não tenha medo de analisar as pessoas, pois vivemos em meio a uma infinidade muito grande de joio. Muitos tem medo de taxar as pessoas como João Batista fez, mas eu digo que todo aquele que se exalta como fazem a maioria dos cristãos da nossa época, nada podem ser além de víboras e joio em meio ao trigo. Porque pelo fruto se conhece a árvore (Mateus 12:33).

 Como lidar com o Joio? 

"Ele, porém, lhes respondeu: Um inimigo fez isso. Mas os servos lhe perguntaram: Queres que vamos e arranquemos o joio? Não! Replicou ele, para que, ao separar o joio, não arranqueis também com ele o trigo" Mateus 13:28-29.

Por um lado é bom que não andemos enganados quanto as pessoas a nossa volta, mas por outro o Senhor nos ensinou que não devemos arrancar o joio do nosso meio. Isso tem duas razões principais. Primeiramente o julgamento pertence ao Cristo e àqueles que tem autoridade para julgar (Apocalipse 20:4). Em segundo lugar o joio serve para o crescimento espiritual do trigo.

Seja trigo ou seja joio, devemos tratar todas as pessoas com o mesmo amor e dedicação. Devemos orar sempre para que o joio se arrependa e se torne, por fim, trigo cheio de fruto. Não devemos antecipar o julgamento de Deus sobre os homens, pois esta tarefa simplesmente não compete a nós.

Sei que com esta posição acabamos ficamos em uma situação complicada, pois vemos muita morte no meio das denominações e nada podemos fazer a este respeito. Tão somente devemos renovar a nossa mente individualmente e orar para que Deus levante o trigo nestes dias. Devemos ser luz e testemunho em meio a esta geração trevosa para que Deus resplandeça nas trevas deste mundo.

Mais uma vez eu digo para não andarmos enganados! Nós devemos amar as pessoas, não o pecado que elas comentem. O pecado deve ser totalmente condenado, aniquilado e expurgado do nosso meio, sendo que nem a sombra do mal deve haver entre os irmãos. Também não é bom que mintamos ao Espírito Santo, pois por muito menos caiu a ira de Deus sobre os mentirosos, que não herdarão o reino de Deus. Tão somente sejamos simples como a pomba, mas prudentes como a serpente.

 A colheita 

"Deixai-os crescer juntos até à colheita, e, no tempo da colheita, direi aos ceifeiros: ajuntai primeiro o joio, atai-o em feixes para ser queimado; mas o trigo, recolhei-o no meu celeiro" Mateus 13:30.

"Pois, assim como o joio é colhido e lançado ao fogo, assim será na consumação do século. Mandará o Filho do Homem os seus anjos, que ajuntarão do seu reino todos os escândalos e os que praticam a iniqüidade e os lançarão na fornalha acesa; ali haverá choro e ranger de dentes" Mateus 13:40-42.

É bom que se entenda bem o destino do joio. O joio não é enviado por Deus, conforme lemos neste texto. Por mais que possa soar estranho, eles são filhos malditos que foram plantados pelo diabo. O destino destes homens será a fornalha acesa no dia da colheita de Deus. Devemos lembrar que o julgamento começa pela casa de Deus. Certamente nós, os que cremos, seremos julgados conforme as nossas obras. Deus repartirá sobre os que se salvarem o galardão e a vida eterna. Mas ao joio ele tem guardado a fornalha acesa, onde haverá choro e ranger de dentes.

Existe muita discussão sobre o que seria a fornalha acesa descrita por Jesus. Certo é que o joio não fará parte da primeira ressurreição e será julgado pelo trono branco de Deus. E todos que não tiverem seus nomes escritos no livro da vida, serão lançados no lago de fogo, ou seja, sofrerão o dano da segunda morte.

 Conclusão 

Este texto é uma reflexão primeiro para a minha própria vida. Será que eu sou trigo de verdade? Ou sou apenas o joio semeado pelo inimigo? Devemos nos fazer esta pergunta. Devemos buscar a realidade e a humilhação diante de Deus para produzirmos frutos dignos de arrependimento. Saiba disso: enquanto há vida há esperança. Em segundo lugar este texto é uma reflexão sobre as pessoas a nossa volta. Vivemos em um tempo onde existe muito joio e pouco trigo. Muitos são os que se exaltam, mas poucos os que se humilham. Como devemos fazer nessa realidade? Como lidar com as pessoas? Como ser luz? Que estas palavras sejam vida para a nossa vida e nos ajudem a nos arrepender, produzindo os frutos que nos tornarão o verdadeiro trigo, a plantação do Senhor para sua glória.

Comentários