Não por remendo de pano novo em vestido velho


# Remendo # Veste nova # Veste velha # Nova vida # Vida Velha

Leitura: Mateus 9:16; Lucas 15:22; Gálatas 3:27; I Corintios 1:30; Filipenses 3:9; Efésios 4:22-24.

"Ninguém põe remendo de pano novo em vestido velho, pois semelhante remendo rompe o vestido e faz-se maior rotura" (Mateus 9:16).

Em 9:16 o Senhor continua Sua palavra doce e íntima deste capítulo. A palavra grega aqui traduzida para "novo" é agnaphos. Esta palavra é formada por um a, que dá um sentido de negação e gnapto, que significa cardar ou pentear a lã, portanto, preparar e encolher o pano. Assim, a palavra agnaphos significa não-cardado, não franzido, sem acabamento, não-encolhido, não tratado. O tecido novo representa Cristo desde sua encarnação até Sua crucificação como um pedaço de pano novo, não-tratado, cru. Portanto, Cristo era primeiramente o tecido cru pra fazer uma nova veste. No entanto, por Sua morte e ressurreição, Ele foi feito uma nova veste para cobrir-nos como nossa justiça diante de Deus afim de que possamos ser justificados por Deus e aceitos por Ele (Lucas 15:22; Gálaltas. 3:27; I Coríntios 1:30; Filipenses 3:9).

Um pedaço de pano cru posto em uma veste velha tira parte do vestido pela sua força de encolhimento, fazendo assim, uma grande rotura. Colocar remendo de pano novo em vestido velho significa tentar imitar o que Cristo fez com nossa própria vida humana. A veste velha aqui neste verso significa o bom comportamento do homem, os feitos bons e as práticas religiosas em nossa velha vida natural. O Senhor foi muito sábio, pois, neste verso Ele não disse: "Vocês, discípulos de João, devem perceber que suas vestes (ou seja suas vidas) estão velhas e cheias de buracos. Ao jejuar vocês estão, na verdade, cortando um pedaço de veste nova e usando-a para remendar os buracos em suas vestes". Em outras palavras, "não tentem remendar o que é velho, mas vistam-se do que é novo, que é a minha própria vida".

As palavras de Jesus aos discípulos de joão parecia dizer-lhes: "Por que vocês perguntam-me sobre o Jejum? O jejum de vocês é uma maneira de melhorar o aspecto de suas roupas velhas. Na verdade, pelo jejuns, vocês mostram que percebem que há buracos em suas vestes e que precisam de remendo. Vocês estão me utilizando para tapar seus buracos. Isso significa que estão cortando um pedaço do Meu tecido cru para dar uma aparência boa às suas vestes. Mas meu tecido está cheio de força de encolhimento. Não ponha qualquer parte dele em sua veste rota. Se o fizer, o buraco se tornará ainda maior.

É maravilhosa a revelação que estes versos nos traz. O Senhor Jesus assemelhou-se a um pedaço de tecido cru. Isso aponta para o que Ele era no período entre Sua encarnação e crucificação. Nesse período Ele era um tecido cru, novo, que nunca tinha sido enrugado ou tratado. Por meio de Sua morte e ressurreição esse novo tecido foi tratado e tornou-se uma nova veste. Ora, a intenção do Senhor era dar-se a nós, não como um pedaço de pano cru, mas como uma veste terminada, concluída, que podemos vestir como nossa justiça para sermos justificados diante de Deus. Após Sua morte e ressurreição, Ele tornou-se esta veste pronta para vestirmos, a fim de que possamos estar presentes na Sua festa de casamento.

Por que o Senhor Jesus, após dizer-nos que Ele é o Noivo, continuou falando do tecido novo e da veste nova? Devemos meditar mais profundamente neste texto para discernir o que realmente o Senhor estava dizendo. Ele disse que o noivo está conosco. Mas olhemos para nós mesmos, somos dignos de Sua presença? Na verdade, nós, em nossa condição natural, aos olhos de Deus, não somos dignos da presença do noivo. Para desfrutar a presença do Senhor precisamos de certas qualificações; precisamos estar em certa condição e certa situação. O que somos por nascimento, o que somos naturalmente, tudo o que podemos fazer e tudo o que temos, não nos qualifica a estar na presença do Noivo. O que precisamos? Precisamos primeiramente ser nascidos de novo, justificados e revestidos de um nova roupa. Lembra-se a história do filho prodigo em Lucas 15? O filho prodigo voltou para casa. O Pai, sem dúvida, amava-o profundamente, mas a condição do filho era absolutamente imprópria para a presença do Pai. Por isso, o Pai imediatamente disse a Seus servos para pegar a melhor veste e por nele, tornando-o assim digno da Sua presença. 

Nosso Noivo é o próprio Jesus. Outrora, como nós, pobres pecadores poderíamos desfrutar a presença do Rei celestial? - Impossível! Devemos ver o contexto desses versículos em Mateus 9: O Senhor estava comendo com os publicanos e pecadores. Ora irmãos, no passado estávamos nesta posição, éramos "publicanos" e pecadores. Não estávamos qualificados para desfrutar a presença do Senhor; precisávamos de algo para nos cobrir a fim de ser qualificados para estar em Sua Presença. Por isso, neste texto, após o Senhor ter falado de Si mesmo como o Noivo, Ele disse que precisávamos estar vestidos de uma nova veste. Quando vestimos a nova veste, somos dignos da Sua presença. Quando o filho pródigo foi vestido com a melhor roupa, ele pôde imediatamente ficar na presença do Pai. A melhor roupa o qualificou a desfrutar a presença do Pai. Assim, como "publicanos" e pecadores precisamos estar vestidos com uma nova veste para que possamos ser dignos da presença do Noivo. 

A Palavra nos afirma que Cristo tornou-se a nossa nova veste após a Sua Ressurreição. Em Gálatas 3:27 lemos "Porque todos quantos fostes batizados em Cristo, de Cristo vos revestistes". Portanto, uma vez batizados, fomos inseridos em Cristo e estamos revestidos Dele. Efésios 4:22-24 também nos exorta a despojar do velho homem, que se corrompe e no revestir do homem, que é segundo Deus.

Assim, ao ser crucificado, sepultado e ressuscitado, Cristo tornou-se a nossa nova veste e quando fomos batizados Nele, nós O vestimos. Que maravilha! Cristo não é mais tecido cru. Ele é agora a nossa veste terminada. Neste nova veste temos em nossa vida a Sua redenção, o poder de Sua ressurreição e todos os elementos desta pessoa Divina.

--
Gostou do texto? Veja as outras publicações da categoria Pregações.

Comentários