Evangelho de Mateus - Os magos gentios


Estudo de Mateus - Capítulo 2
Os magos gentios

Panorama: Este capítulo descreve os Magos gentios buscando a Jesus para adorá-Lo, Herodes, invejoso, ao saber do nascimento do Novo Rei fica encolerizado e procura matá-Lo pois temia perder o seu reinado. Os pais de Jesus, então fogem para o Egito e depois de algum tempo voltam para Israel e se estabelecem em Nazaré.

Aplicação: Precisamos meditar e ganhar a palavra de Deus com o único objetivo de conhecer mais e mais o Senhor e ser cheios pela a Sua vida. Precisamos sempre pedir ao Senhor que faça com que as nossas mentes, corações estejam adequados para que possamos vê-Lo e adorá-Lo.

Medite nos seguintes pontos propostos:
A. Os magos gentios O buscam e O adoram (1-12)

1. A vinda dos magos do Oriente:
A bíblia não dá maiores informações quanto a estes homens, segundo a tradição eram três porque trouxeram três presentes para o Senhor, mas a verdade é que a palavra não fala nada sobre isso. Eles provavelmente eram de uma classe rica e culta do oriente que se dedicavam à astrologia e a outras ciências. A Bíblia não nos relata como magos do oriente souberam do nascimento do Senhor. Certamente o Espírito Santo trouxe a eles este conhecimento revelado. Claro que, como estudiosos, eles também tinham conhecimento das Escrituras Sagradas (Is. 60:3; Nm. 24:17, Is. 9:2; Is. 7:14; Is. 9:6-7). Mas o mais importante disto é tinham um coração que buscava ao Senhor.

2. Achado em Belém por homens pagãos:
Considere a situação da época; No tempo do nascimento de Jesus havia uma religião chamada judaísmo. Esta era uma religião fundamentalista, sólida, escritural que foi formada, organizada e constituída conforme os trinta e nove livros do Antigo Testamento. Pelo registro de Mateus 2, vemos que o judaísmo era bastante baseado na Bíblia. Entretanto, dificilmente alguém naquela religião sabia que Cristo havia vindo. Pelo contrário, há um registro de que alguns homens pagãos, magos, foram encontrá-lo (2:1-12).

3. Versos 2:2: Guiados pela estrela, tiveram a visão celestial:
Deus deu aos magos uma estrela brilhante para guiá-los. Ora, essa estrela não apareceu na terra santa. Apareceu a homens distantes – longe da terra santa; longe da cidade santa; longe do templo santo, longe da religião santa; longe do povo santo e dos sacerdotes santos. A estrela, portanto brilhou longe de todas essas coisas santas a alguns homens pagãos em uma terra pagã. Assim, o brilhar daquela estrela despertou esses sábios pagãos quanto ao Rei dos judeus.

Os sábios, portanto, tinham uma visão viva, a estrela celestial. Os religiosos judeus, por sua vez, tinham a bíblia. Qual você prefere ter: a Bíblia ou a estrela? O melhor é ter ambos. Precisamos ter a Bíblia em nossa mão e ver a estrela nos céus e claro, ter um coração para buscar ao Senhor.

4. Distraído por seus conceitos humanos:
Após terem recebido a visão viva, os magos deixando a revelação divina foram distraídos e desviados por seu próprio conceito humano e foram a Jerusalém. O conceito pessoal deles acerca da vontade de Deus foi um grande problema. Embora possamos ter a Bíblia e a estrela, devemos reconhecer que os problemas pode vir do nosso conceito natural das coisas de Deus. Os sábios tiveram a visão e compreenderam que ela indicava o Rei dos judeus, eles portanto, presumiram que deveriam ir à Jerusalém, a capital da nação judaica, onde deduzia-se que estava Ele (vs 1-2). A decisão deles de ir à Jerusalém não veio da luz da estrela, da revelação. Eles foram para a capital judaica porque foram distraídos do caminho correto por seus conceitos naturais. Portanto, Jerusalém era o lugar errado. Lá estava localizado, o templo e todos itens sagrados daquela religião, mas simplesmente não era o local onde Jesus ia nascer. Por causa deste engano, os magos causaram um problema sério ocasionando a morte de muitas crianças. Se não fosse pela soberania de Deus, por causa do erro deles, até mesmo o pequenino Jesus teria sido morto.

5. Corrigidos pelas Escrituras:
Muitas vezes você tem a visão, mas quando considera a questão em sua mente, é distraído e enganado pelos seus conceitos naturais. Sempre que é distraído assim, você precisa da Bíblia. Depois que os magos foram a Jerusalém, o lugar errado, foram corrigidos pelas Escrituras. Delas eles aprenderam que o lugar correto era Belém e não Jerusalém (vs. 4-6). Se não tivessem sido enganados pelos seus conceitos naturais, a estrela certamente os teria levado diretamente a Belém, o lugar onde Jesus estava. Assim, uma vez extraviados, eles precisavam ser corrigidos pelo conhecimento da Bíblia. Ora, A visão viva sempre caminha junto com as Escrituras.

6. Os sacerdotes judeus e os escribas não quiseram visitar Jesus:
Os sacerdotes eram os que ensinavam a lei ao povo(Ml.2:7), e os escribas eram os que conheciam como ninguém as Escrituras (Ed. 7:6). Tanto os sacerdotes como os escribas tinham o conhecimento com relação ao conhecimento de Cristo (vs. 5-6), mas, ao contrário dos magos, não tiveram a visão revelada, nem tinham um coração de buscar a Cristo. Eles tinham conhecimento e podiam falar às pessoas que o Messias nasceria em Belém; contudo nenhum deles foi procurá-Lo. Embora fossem interessados pelo conhecimento da Bíblia, não estavam interessados pela Pessoa viva do Messias.

Aplicação: Precisamos clamar ao Senhor para não sejamos daqueles que estão satisfeitos com mero conhecimento a cerca do Senhor e não se rendem a Ele completamente em coração inteiro. Se possuímos mero conhecimento precisamos pedir ao Senhor que nos dê um coração que o busque. Assim, precisamos, em nossa experiência, tanto do conhecimento quanto da revelação.

“Com isto, Herodes, tendo chamado secretamente os magos, inquiriu deles com precisão quanto ao tempo em que a estrela aparecera. E, enviando-os a Belém, disse-lhes: Ide informar-vos cuidadosamente a respeito do menino; e, quando o tiverdes encontrado, avisai-me, para eu também ir adorá-lo. Depois de ouvirem o rei, partiram; e eis que a estrela que viram no Oriente ia adiante deles, até que, chegando, parou sobre onde estava o menino. E, vendo eles a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo. Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra. Sendo por divina advertência prevenidos em sonho para não voltarem à presença de Herodes, regressaram por outro caminho a sua terra” (Mateus 7:12).


B. Por seguirem novamente a estrela, e não seus conceitos pessoais, os magos encontram a Jesus e lhe ofertou alguns presentes (7-12)

1. Guiados novamente pela estrela para encontrar Cristo e adorá-Lo:
“...e a estrela que tinham visto no Oriente ia adiante deles... Vendo eles a estrela, alegraram-se imensamente” (vs. 9-10). Que contraste! Os magos se alegraram, mas “quando o rei Herodes ouviu isto, alarmou-se e com ele toda Jerusalém” (vs.3). Era de se esperar esta atitude por parte do Rei Herodes, mas por parte do povo judeu era um fato, no mínimo curioso.

“... e entrando na casa viram o menino com Maria, sua mãe e, prostrando-se, O adoraram...” (vs. 11). Ao entrar na Capital judaica guiados pelos seus conceitos eles perderam a visão celestial, mas quando deixaram Jerusalém e recuperaram o caminho certo, então, a estrela viva apareceu novamente e conduziu-os não apenas a Belém, mas exatamente para a rua e casa onde estava o menino.

Os magos não apenas acharam Cristo; eles também O adoraram (vs. 11). Entre os israelitas, não era permitido a ninguém receber adoração. Era considerado um insulto a Deus, uma blasfêmia contra ele. Segundo os Judeus, apenas Deus era digno de adoração. Mas estranhamente, aos olhos humanos, os sábios estavam adorando uma criança. Como aqueles homens viam é uma pequenina criança o próprio Deus digno de toda adoração? Ora, somente pela revelação divina, pela religião é impossível. Em Isaías 9:6 diz: “Uma menino nos nasceu... e seu nome será... Deus forte”. O menino encontrado pelos magos era chamado de Deus forte. Isto é maravilhoso!

2. O significado dos três presentes dados a Jesus:
O Ouro significa a natureza divina, fragrância de incenso denota prazer e ressurreição, fragrância de mirra é a figura da morte pois era usada em cadáveres. Quando os magos ofereceram estes presentes, certamente eles não tinham idéia de seu significado e, sem dúvida ofereceram inspirados pelo Espírito. Nos quatro evangelhos, que são biografias de Jesus, o significado desses presentes está sempre presente em toda a vida do Senhor.

3. Viveu uma vida de ressurreição  “...Eu sou a ressureição e a vida” (João 11:25)
De acordo com a mentalidade religiosa e natural, a ressurreição de Jesus aconteceu apenas após a Sua morte. Entretanto, antes de Ele morrer, Jesus disse a Maria e Marta que Ele era a ressurreição e a vida(João 11:25). Na verdade, Ele sempre vivia a vida de ressurreição e estava constantemente sob o mortificar da cruz. Ele, portanto, não esperou até que os trinta e três anos e meio se passassem antes de ir à cruz e ser crucificado. Em toda a Sua vida Jesus foi continuamente crucificado e a ressurreição esteve sempre presente. Assim, Ele tinha não apenas a fragrância da ressurreição, como também a doce mirra da cruz.

Comentários