Não vos conformeis a este século


#Santidade #Mundo #Trevas #Romanos 12 #Não vos conformeis #Não vos amoldeis

Leitura: Romanos 12:1-2; Hebreus 10:38; Jeremias 23:6; Juízes 6:23 e 24; Salmos 23:1; Êxodo 15:26; Gênesis 22:14; Ezequiel 48:35; Êxodo 17:15; 1 Coríntios 7:31; Colossenses 3:1-2; Daniel 1:5; Apocalipse 3:8; Zacarias 4:6-10.

Hoje falaremos, rapidamente, acerca da mescla que assola a Igreja de Deus. Que Ele nos revele todas as coisas.

Vivemos em um mundo que, aparentemente, nos dá todas as condições básicas para que possamos reproduzir a vida independente de Deus. A palavra nos diz que “o justo viverá pela fé” (Hb 10:38). Porém não é isso que percebemos nos dias atuais. Nós nos esquecemos da natureza sétupla de Deus, ou seja, as sete maneiras que Deus se revela através do Seu nome. Ele é Jeová-Tsidkenu, o Senhor é a nossa justiça (Jr 23:6). Porém várias vezes nós fazemos justiça por nós mesmos e acabamos por esquecer que Deus é a nossa justiça. Ele é Jeová-Shalom, o Senhor é a nossa paz (Jz 6:23 e 24). Porém Ele pode não ser nossa real paz enquanto nós buscamos paz e descanso nesse mundo. Ele também é Jeová-Raah, o Senhor é nosso Guia (Sl 23:1). Porém tantas vezes buscamos nossos próprios caminhos e opiniões. Ele é Jeová-Rafá, Deus, aquele que nos cura (Êx 15:26). Porém utilizamos vários recursos humanos para nos curar de várias coisas, sejam física como mentalmente. Ele também é Jeová-Jiré, Deus é nosso provedor (Gn 22:14). No entanto utilizamos vários meios para nos prover e esquecemos do nosso real provedor. Ele é Jeová-Shamá, Deus sempre presente (Ez 48:35). Deus que é presente a todo tempo, através do Espírito em nós. E, por fim, Ele é Jeová-Nissi, Deus é a nossa vitória (bandeira) (Êx 17:15). É Ele quem deve batalhar e não nós mesmos. Nesses sete aspectos do nome de Deus, percebemos quanto ainda falta para que dependamos de Deus exclusivamente e vivamos realmente por fé.

Por isso está escrito: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Rm 12:2). Para experimentarmos da vontade de Deus nós devemos depender de Deus em todos os seus aspectos. Crer que Ele é capaz de nos suprir em todas as áreas de nossa vida. Isso implica em usar do mundo como se não usássemos (1 Co 7:31), tendo em mente que não somos deste mundo. “Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra” (Cl 3:1-2).

A realidade atual é bem parecida com o tempo em que Daniel viveu. Àquela época o Reino de Judá, que havia se separado do Reino de Israel, foi levado cativo para Babilônia. Como lemos no livro de Daniel o Rei Nabucodonosor ordenou-lhes que lhes fossem dadas das iguarias reais da Babilônia (Dn 1:5). Atualmente muitos irmãos tem sido levados cativos para a Babilônia espiritual. Como mencionado anteriormente, esse mundo nos dá condições de reproduzir nossas vidas e até mesmo adorar a Deus aqui.

Na Babilônia física, os filhos de Israel puderam reproduzir a vida tranquilamente e até mesmo ofereciam sacrifícios ao Senhor. Eles viveram acomodados porque aparentemente eram livres. Porém, eram cativos. Nos dias de hoje a situação é semelhante. O mundo nos oferece segurança e uma tranqüilidade aparente. Vivemos como os babilônicos, porém com uma simples diferença: oferecemos algum sacrifício ao Senhor. Se assim fazemos nós nos mesclamos com a cultura babilônica.

O Senhor não quer receber sacrifício em Babilônia, Ele quer levantar seu povo para restaurar seu testemunho na terra. Mas como fazer isso estando ainda neste mundo? Houve um povo que retornou para Jerusalém do cativeiro babilônico para restaurar o testemunho de Deus sobre a Terra. Sob a liderança de Zorobabel, cerca de cinqüenta mil pessoas (dos cerca de cinqüenta milhões de Judeus que foram levados cativos para Babilônia), voltaram para restaurar a Casa de Deus que havia sido destruída. Da mesma forma o Senhor tem levantado a Zorobabel nos dias hoje para conduzir essa pequena parte do povo que se dispor a sair da religião e da comodidade para então restaurar o Seu testemunho. Ainda que seja um pequeno grupo sem muita força (Ap 3:8) como foi o grupo de pessoas liderado por Zorobabel (Zc 4:7). A nossa força já não é mais o que podemos ou não realizar, mas devemos experimentar a Deus como Jeová-Nissi, Deus é a minha bandeira, aquele que nos conduz à vitória. Pois não é por força ou por violência que alcançaremos a vitória e sim pelo próprio Senhor (Zc 4:6). O Senhor quer te levantar como Zorobabel! Quer você seja um veículo de expansão do Reino dos Céus. Através de você, Cristo quer restaurar o testemunho na terra. Sim, nós somos os responsáveis por levar o nome do Senhor. Que isso seja a nossa meta de vida e que Ele nos guie em todas as coisas.

“E veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: As mãos de Zorobabel lançaram os fundamentos desta casa e elas mesmas a terminarão, e vós sabereis que o Senhor dos Exércitos é quem me enviou a vós outros. Pois quem desprezou o dia das pequenas coisas? Sim, estes regozijarão - estes sete mesmos - e verão o prumo na mão de Zorobabel: estes são os olhos do Senhor, que percorrem toda a terra” (Zacarias 4:8-10).

Caso queira se aprofundar neste estudo, leia também: O perigo das riquezas.

--
Gostou do texto? Leia outras pregações desta categoria: Pregações.

Comentários